04:00 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 42
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira (9), a agência de aquisição de armas da Coreia do Sul vai contratar o desenvolvimento de um detector de minas subaquático autônomo com tecnologias nacionais para impulsionar as capacidades militares nas operações de contramedidas de minas.

    A Administração de Programas de Aquisição da Defesa (DAPA, na sigla em inglês) afirmou ter assinado um contrato de US$ 11 milhões (R$ 56 milhões) com a LIG Nex1 Co. para desenvolver o detector autônomo capaz de buscar minas em águas profundas por mais de 20 horas.

    "O detector vai melhorar as capacidades de contramedidas de minas de nossos militares e contribuir para as tecnologias robóticas de defesa do país", afirmou um representante da agência, citado pela Yonhap.

    De acordo com a agência de notícias Yonhap, atualmente, os militares usam sistemas de sonar em suas embarcações tripuladas, além de contarem com a detecção visual para encontrarem as minas.

    Representação artística de um detector de minas subaquático autônomo que será desenvolvido pela Coreia do Sul
    © Foto / DAPA
    Representação artística de um detector de minas subaquático autônomo que será desenvolvido pela Coreia do Sul

    O novo detector de minas subaquáticas está previsto para ser desenvolvido até 2023 para elevar as capacidades militares do país, principalmente na detecção de explosivos subaquáticos.

    Além disso, o equipamento poderá ser usado para monitorar possível infiltração de inimigos e apoiar operações de resgate em acidentes marinhos, bem como para coletar informação topográfica no fundo marinho.

    Mais:

    Coreia do Sul e EUA monitoram atividades nucleares norte-coreanas (FOTOS)
    Avião de combate A-10 Thunderbolt dos EUA perde munição durante treinamento na Coreia do Sul
    Coreia do Norte está construindo 2 novos submarinos nucleares, diz inteligência sul-coreana
    Tags:
    explosivos, detector de bombas, drone, mina, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar