12:58 08 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    6114
    Nos siga no

    A China representa um grande desafio para os países membros da OTAN, porém não no âmbito militar, declarou chanceler polonês em uma entrevista a uma rádio local.

    O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Zbigniew Rau, participou por teleconferência da sessão de ministros das Relações Exteriores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) celebrada na terça-feira (1º) e na quarta-feira (2).

    "Durante a discussão se salientou que a China, com seu crescente poderio e uma série de passos não convencionais também no campo da informática, representa um grande desafio para a Aliança, mas não militar", disse Rau à Polskie Radio.

    Perguntado sobre se a OTAN considera o novo coronavírus como arma biológica chinesa, o chanceler respondeu que "tais declarações não eram frequentes".

    Os ministros dos países reunidos na teleconferência elaboraram um informe sobre a China em que avaliaram as atividades e ameaças desse país asiático para o bloco militar.

    Soldados do Exército de Libertação Popular
    © REUTERS / China Daily
    Soldados do Exército de Libertação Popular

    O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, declarou que a China não é rival da OTAN.

    Stoltenberg defendeu a cooperação com Pequim no controle de armas, mudança climática e comércio, porém, ao mesmo tempo, destacou desafios como o orçamento de defesa chinês que é o segundo maior do mundo e também os investimentos em novas forças.

    O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que está disposto a dialogar e cooperar com o bloco em tom de igualdade e respeito mútuo.

    Mais:

    'Mão de obra escrava': EUA proíbem importação de algodão de fabricante chinês
    Embraer fecha venda do cargueiro KC-390 para Hungria, 2º país da OTAN a adquirir a aeronave
    Milhares vãos às ruas na Polônia contra a proibição do aborto
    Tags:
    orçamento militar, China, OTAN, Defesa, Europa, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar