12:51 24 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3251
    Nos siga no

    Os elevados custos de reparação do USS Bonhomme Richard, em conjunto ao longo prazo de manutenção, fizeram com que as autoridades norte-americanas descartassem a embarcação.

    Na segunda-feira (30), a Marinha dos EUA informou que devido aos graves danos sofridos pelo USS Bonhomme Richard durante o incêndio que consumiu a embarcação por quatro dias em julho, o navio de assalto anfíbio será desmontado, segundo a ABC.

    Os custos estimados de reparação ou reconstrução do navio são de quase US$ 3,2 bilhões (R$ 17 bilhões), além disso, a manutenção levaria de cinco a sete anos para ser realizada. Desta forma, o país gastaria quase o mesmo valor e tempo para construir um novo e moderno navio, explicou Eric H. Ver Hage, comandante do Centro Regional de Manutenção da Marinha.

    Equipe de bombeiros combate incêndio a bordo do navio de assalto anfíbio americano USS Bonhomme Richard em San Diego, nos EUA
    © Sputnik / Pacific fleet of the United States Navy
    Equipe de bombeiros combate incêndio a bordo do navio de assalto anfíbio americano USS Bonhomme Richard em San Diego, nos EUA

    Durante o início do processo de desmanche, as peças que possam ser utilizadas em outros navios militares serão mantidas. Enquanto isso, a tripulação do navio descartado será designada a outras posições dentro da Marinha.

    O USS Bonhomme Richard entrou em serviço em 1998. Esse ano, no dia 12 de julho, sofreu danos graves devido a um incêndio que ocorreu enquanto o navio recebia manutenção de rotina na base naval de San Diego, Califórnia, EUA.

    Mais:

    Marinha dos EUA assina contrato bilionário de construção de 2 submarinos de mísseis balísticos
    Marinhas do Brasil e EUA realizam exercício de passagem no mar do Caribe (FOTOS)
    Marinha dos EUA adota míssil naval SM-6 como nova arma lançada do solo
    Tags:
    incêndios, incêndio, Marinha dos EUA, Marinha, navios, navio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar