02:39 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 180
    Nos siga no

    Uma das peças de artilharia mais potentes do mundo, o canhão russo 2S7M Malka, receberá uma nova geração de munições, incluindo guiadas.

    "Elaboramos opções para uma modernização mais profunda da arma com o desenvolvimento de uma nova geração de munições, incluindo as guiadas. Enviamos estas propostas ao cliente", informou o diretor industrial da Rostec (corporação estatal russa para o desenvolvimento, produção e exportação de produtos de alta tecnologia), Bekkhan Ozdoev.

    A empresa Uraltransmash entregou ao Ministério da Defesa russo o primeiro canhão autopropulsado modernizado 2S7M Malka em abril de 2020.

    Além da substituição dos componentes importados por nacionais, foram incorporadas novas caixas de câmbio, equipamentos de energia, de vigilância e comunicações.

    Canhão autopropulsado nuclear 2C7 Pion (2C7M Malka) durante os exercícios miliares Vostok 2018, na região russa de Transbaikal
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Canhão autopropulsado nuclear 2C7 Pion (2C7M Malka) durante os exercícios miliares Vostok 2018, na região russa de Transbaikal

    A modernização melhorou os principais características da arma, incluindo a manobrabilidade e controle. O canhão superou com sucesso todos os testes.

    O 2S7M Malka é uma versão modernizada do canhão autopropulsado 2S7 Pion, criado na década de 1980 e ainda considerado um dos canhões mais poderosos do mundo.

    O armamento foi projetado para destruir alvos em profundidade das linhas de defesa inimigas, bem longe da linha do front. O canhão pode disparar munições reativas e projéteis incendiários e de fragmentação.

    Mais:

    NI define nova arma russa como 'assassina' de tanques ocidentais
    'Formidáveis e mais resistentes': reveladas capacidades dos modernizados tanques russos T-80BVM
    Novo canhão da OTAN conseguiria perfurar tanque russo mais avançado?
    Tags:
    equipamento militar, defesa, Rússia, canhão, artilharia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar