20:59 05 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    A Marinha dos EUA está planejando reabastecer submarinos e outros navios distantes utilizando pequenos drones.

    Em outubro, a Divisão de Aeronaves do Centro de Guerra Aérea Naval (NAWCAD, na sigla em inglês) dos EUA adquiriu um protótipo de drone Skyways, produzido para demonstrar a capacidade de transportar cargas a longo alcance de navio para navio e de navio para plataforma, segundo o portal Flight Global.

    "O requisito é diferente de outros de transporte vendidos por varejistas como a Amazon [...] O transporte de carga naval necessita de veículos que sejam capazes de operar em ambientes difíceis, incluindo ventos fortes, mar aberto e embarcações em alto mar", afirmou o líder do projeto Blue Water, Bill Macchione.

    O equipamento possui asa fixa, motor interno de combustão e quatro rotores elétricos para o voo vertical.

    De acordo com a instituição, o drone foi escolhido devido à capacidade de transportar 9,1 quilos de carga útil, voando por até 40,2 quilômetros sem a necessidade de ser reabastecido.

    Submarino norte-americano da classe Virginia SSN 774 USS (foto de arquivo)
    © Foto / Marinha dos EUA
    Submarino norte-americano da classe Virginia SSN 774 USS (foto de arquivo)

    O equipamento ainda deve passar por algumas modificações, devendo contar com asas dobráveis, sistema de propulsão duplo, compartimento de carga externo e interno e sistema automático dependente de identificação de transmissão vigilância.

    Após as modificações, o drone passará por testes adicionais no oceano Atlântico em 2021, quando os EUA estudarão a possibilidade de usá-lo em operações navais.

    Mais:

    Secretário de Defesa quer dotar Marinha dos EUA com 80 submarinos até 2045
    Marinha chinesa monitora e rastreia destróier dos EUA no estreito de Taiwan
    Marinha dos EUA se prepara para construir destróier de última geração
    Tags:
    reabastecimento, eua, Marinha dos EUA, Marinha, drone
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar