02:08 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2341
    Nos siga no

    O primeiro porta-aviões produzido pela China, o Shandong, completou os testes regulares e missões de treinamento no mar ao longo de dez meses.

    Segundo a Televisão Central da China (CCTV), citando o capitão Lai Yijun, os testes incluíram apoio aéreo, controle de danos e resposta de emergência. Além disso, os militares chineses se focaram em ações de combate real e no desempenho das armas da embarcação.

    O Shandong, o segundo porta-aviões do país, foi comissionado pela Marinha do PLA em 17 de dezembro de 2019, em Sanya, no sul da China.

    Como o porta-aviões acaba de servir por menos de um ano, ele ainda está passando por treinamento básico para testar o desempenho de seu equipamento e aprimorar a pesquisa sobre as operações e o treinamento do navio.

    Cerimônia de comissionamento do porta-aviões chinês Shandong
    © AP Photo / Li Gang
    Cerimônia de comissionamento do porta-aviões chinês Shandong

    Na próxima etapa, o Shandong deverá conduzir exercícios em coordenação com aeronaves e navios, bem como com outros grupos de ataque de porta-aviões, informou ao Global Times Zhang Junshe, pesquisador do Instituto de Pesquisa de Estudos Militares do ELP da China.

    O Shandong tem 315 metros de comprimento, desloca de 40 a 60 mil toneladas e é maior que o Liaoning. O navio pode operar com 44 aeronaves, sendo 36 caças, em comparação com os 36 (24 jatos) do Liaoning.

    A China está construindo um terceiro porta-aviões que deverá ser ainda maior, com um deslocamento de 80 mil toneladas e dotado de catapultas.

    Mais:

    Xi Jinping promete 'golpe esmagador' a qualquer potência que tentar dividir a China
    Após rumores da mídia, VÍDEO mostra suposta realocação de mísseis da China perto de Taiwan
    Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas
    Tags:
    exercícios, navios, China, Marinha, Marinha, porta-aviões
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar