15:35 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3271
    Nos siga no

    O portal norte-americano Defense News apontou as principais fraquezas da Marinha dos EUA, que podem deixar o país ainda mais distante das outras grandes potências.

    A frota de superfície envelhecida da Marinha dos EUA está se tornando difícil de manter e em geral está mostrando problemas em diversas áreas importantes, como motores, sistemas elétricos e Aegis, afirma o portal com base no relatório anual do Conselho de Inspeção e Pesquisa da Marinha norte-americana.

    Frota envelhecida

    Em mais de 30 inspeções de navios de superfície em 2019, a Marinha registrou uma queda de 20% na pontuação da unidade de propulsão principal entre 2014 e 2019 e outra queda de 20% na pontuação dos sistemas elétricos dos navios.

    O sistema Aegis (sistema norte-americano integrado de armas navais), que é o coração dos sistemas de combate dos cruzadores e destróieres, teve uma "leve, porém preocupante, queda" de 0,88 pontos em 2017 para 0,77 em 2019.

    Porta-aviões USS Ronald Reagan, na frente, e o destróier de mísseis guiados USS Milius, no entro, conduzem um exercício com navios da Força Marítima de Autodefesa do Japão no mar do Sul da China, 31 de agosto de 2018
    © AP Photo / Marinha dos EUA / Especialista de comunicação em massa de 2ª classe Kaila V. Peters
    Navios dos EUA e Japão realizando exercícios no mar do Sul da China

    Ao mesmo tempo, o resultado mostra que a avaliação dos sistemas de aviação, de lançamento e de recuperação de aeronaves de asa giratória teve uma queda de 0,77 em 2014 para 0,68 em 2019.

    Parte do problema é que a frota de superfície da Marinha dos EUA está envelhecendo. Todos os cruzadores estão se aproximando dos 35 anos de vida útil estimada do casco e os primeiros 27 destróieres da classe Arleigh Burke não estão muito distantes deles.

    Sendo assim, "a perspectiva geral sobre o desenvolvimento da Marinha deve mudar, caso se queira obter algum progresso significativo", opinou Bryan Clark, ex-oficial de submarinos da Marinha dos EUA e membro do Instituto Hudson.

    Problemas dos novos navios

    Os inspetores da Marinha dos EUA encontraram sérios problemas técnicos nas três classes de novos navios do estaleiro Ingalls Shipbuilding, segundo um relatório enviado ao Congresso no início deste ano.

    Com isso, o destróier Paul Ignatius, o navio de assalto anfíbio Tripoli e o Portland mostraram diversos problemas como, por exemplo, falhas de unidades de propulsão, sistemas de ancoragem, geradores e radares.

    O porta-aviões USS Nimitz transita pelo estreito de Balabac em 15 de julho de 2020
    O porta-aviões USS Nimitz transita pelo estreito de Balabac em 15 de julho de 2020

    A embarcação mais cara da história, o porta-aviões nuclear USS Gerald R. Ford da Marinha dos EUA, estimado em um valor de US$ 13 bilhões (R$ 72,6 bilhões), também está longe de seu ideal. Em junho de 2020, a tripulação foi obrigada a suspender suas atividades devido a uma falha detectada durante um teste de manobra.

    Mais:

    Marinha dos EUA encerra busca por tripulante desaparecido de porta-aviões no mar Arábico
    Marinha dos EUA solicita cerca de US$ 600 milhões para desenvolver frota de navios não tripulados
    Lockheed Martin afirma estar trabalhando em projeto de navio não tripulado da Marinha dos EUA
    Tags:
    EUA, Marinha dos EUA, destróieres, navios de assalto anfíbios, navios de guerra, navios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar