03:50 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3543
    Nos siga no

    Na opinião de um acadêmico da Coreia do Sul, apesar do discurso relativamente moderado do líder norte-coreano, o recente desfile militar demonstrou uma grande variedade de armas poderosas.

    O discurso do líder norte-coreano Kim Jong-un no sábado (10), durante uma parada que exibiu novos mísseis balísticos, não deve ser visto como uma mudança de tom, disse Kim Dong-yup, professor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Universidade Kyungnam, Coreia do Sul, à Sputnik.

    O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, participa do desfile militar em comemoração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020
    © REUTERS / KCNA
    O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, participa do desfile militar em comemoração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020

    "Alguns analistas provavelmente darão importância ao fato de que, na primeira parte, ele transmitiu palavras de apoio aos povos do mundo, expressou sentimentos calorosos por seus compatriotas do Sul e mostrou esperança de que a crise será superada em breve, e o Norte e o Sul serão capazes de dar as mãos novamente. Mas eu diria que isto é apenas retórica política formal".

    "Você podia sentir a voz de Kim Jong-un tremendo de vez em quando, e seu rosto esteve perto de chorar várias vezes. Isso me confundiu no início, e eu revi esses momentos de propósito várias vezes para ver se eu não teria cometido um erro", comentou. A conclusão do professor é que o discurso "foi um espetáculo bem representado para o público interno".

    Armamento em destaque

    Em relação às próprias armas, o especialista referiu a exibição de vários tipos de novos armamentos, de sistemas de artilharia autopropulsados de 152 milímetros, de cinco tipos de lançadores múltiplos de foguetes de 122 milímetros, de 240 milímetros e dos chamados lançadores supergrandes, além de mísseis antiaéreos e antinavio e de "um projétil balístico estratégico submarino", segundo anunciado pelos comentadores. Por seu aspeto exterior, ele é parecido com o Pukkykson-3 (que tem um diâmetro entre 1,5 m e 1,6 m), embora tivesse escrito Pukkukson-4A e mostrasse ter um diâmetro maior, cerca de 1,8 m.

    Veículos militares da Coreia do Norte participam de desfile militar no 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020
    © REUTERS / KCNA
    Veículos militares da Coreia do Norte participam de desfile militar no 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020

    "Levando em conta que a família Pukkykson usa motores de combustível sólido, o crescimento do diâmetro significa melhor tecnologia de compactação de combustível e, consequentemente, maior alcance de voo. Além disso, dado o maior diâmetro, podemos assumir que ele [o míssil] foi projetado para um novo submarino de maior envergadura, atualmente em desenvolvimento".

    O aumento do diâmetro do míssil de propulsor sólido pode também significar uma melhoria do Pukkykson-2, projetado para lançamentos a partir do solo e para substituir o míssil balístico de combustível líquido Hwason-12, com o mesmo alcance, argumenta o especialista.

    Mais armas

    Na segunda metade do desfile também foram demonstradas as versões norte-coreanas dos sistemas de mísseis russos Iskander e dos ATACMS norte-americanos, seguidas pelos Hwason-12 e Hwason-15.

    Um frame de uma transmissão da emissora KCNA, da Coreia do Norte, mostra o desfile militar em comemoração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020
    © AFP 2020 / KCNA VIA KNS
    Um frame de uma transmissão da emissora KCNA, da Coreia do Norte, mostra o desfile militar em comemoração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020.

    Foi também mostrado, especialmente para os EUA, um novo míssil balístico intercontinental, que deve ter cerca de 24-25 metros de comprimento, segundo o professor universitário. O míssil é de combustível líquido, tem um maior diâmetro e pertence à família Hwason, mas pode ainda estar em desenvolvimento, teoriza Kim Dong-yup.

    "Alguns analistas estão se concentrando no fato de o novo míssil balístico intercontinental ter maior alcance, mas eu diria que o principal não é mais o alcance, mas o aumento do peso da ogiva e a estabilidade e confiabilidade de seu funcionamento".

    "O Hwason-15 já demonstrou um alcance potencial de 13.000 quilômetros, o que torna todo o território continental dos EUA acessível para ataque, por isso não há razão especial para aumentar o alcance", afirma.

    Apesar de tudo, o analista considera que o míssil não vai ter múltiplas ogivas, dado o nível atual das tecnologias norte-coreanas de miniaturização.

    Um frame de uma transmissão da emissora KCNA, da Coreia do Norte, mostra o desfile militar em celebração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020
    © AFP 2020 / KCNA VIA KNS
    Um frame de uma transmissão da emissora KCNA, da Coreia do Norte, mostra o desfile militar em celebração ao 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 10 de outubro de 2020

    No final de 2019, durante a quinta sessão plenária do Comitê Central do PTC da 7ª legislatura, Kim Jong-un disse que "o mundo em breve poderia ver as novas armas estratégicas que a República Popular Democrática da Coreia possui", algo que o acadêmico avalia ter sido uma promessa cumprida, dado o que foi exibido no desfile militar.

    Mais:

    Coreia do Norte apresenta novos mísseis balísticos durante grande desfile militar (FOTO, VÍDEO)
    EUA alertam indústrias globais contra compras da Coreia do Norte para mísseis balísticos
    Coreia do Norte dispara projéteis não identificados, afirma Coreia do Sul
    Tags:
    Pukkykson-2, Coreia do Sul, EUA, Pyongyang, Kim Jong-un, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar