15:37 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    17492
    Nos siga no

    Uma série de problemas assola o caça mais caro da história dos EUA. Entenda como esta aeronave se tornou um dos maiores fracassos do país, segundo portal norte-americano.

    Anteriormente, o caça já sofreu o colapso da fuselagem, problemas no controle de voo, falhas eletrônicas permanentes e problemas no software que monitora o desgaste dos componentes da aeronave.

    Com tantos problemas, que inclusive impossibilitam o caça de realizar determinadas missões, militares norte-americanos passaram a exigir milhões de dólares da empresa responsável pela construção do caça, a Lockheed Martin, como compensação, informa o portal Defense News.

    O principal problema que causou a indignação do Departamento de Defesa norte-americano foi o constatado na operação do software que fornece os registros dos equipamentos eletrônicos, ou seja, fornece informações sobre erros e falhas nos sistemas de bordo, além de monitorar a integridade dos componentes do F-35.

    Além disso, recentemente, o computador demonstrou erroneamente os números de 15 mil peças de reposição recebidas pela Força Aérea dos EUA, levando muito tempo e gerando um alto custo para verificar todos os detalhes e criar cópias eletrônicas.

    Piloto inaugura caça de última geração F-35
    © AP Photo / Ariel Schalit
    Piloto inaugura caça de última geração F-35

    Por sua vez, os desenvolvedores afirmam que a responsabilidade é dos militares, que fizeram o uso indevido do sistema.

    O Pentágono cita que o problema vai além, atingindo o principal Sistema Logístico Automático de Informação (ALIS, na sigla em inglês), uma falha que não será corrigida a curto prazo.

    Os pilotos norte-americanos também citam que os caças F-35 possuem muitos erros de cálculo, que criam riscos para suas vidas e saúde, reduzindo a capacidade de combate da aeronave.

    Com tantos problemas, 13 deles foram considerados críticos, como, por exemplo, o surto repentino de pressão na cabine, fazendo com que os pilotos sentissem fortes dores no ouvido e na face.

    Outro sério problema é o sistema de ejeção, já que o Pentágono constatou que o piloto pode facilmente quebrar suas vértebras cervicais, caso pesem menos de 60 quilos.

    O motor da aeronave também sofre com problemas, na versão F-35B, ao pousar em altas temperaturas, o motor deixa de fornecer empuxo suficiente para um pouso seguro, podendo destruir completamente a fuselagem da aeronave.

    Caça F-35 dos EUA
    © Foto / Pixabay / 272447
    Caça F-35 dos EUA

    A fuselagem é mais um ponto fraco da aeronave. Com pouca resistência, a aeronave não pode realizar voos supersônicos por longo período de tempo, pois isso poderia resultar na destruição do F-35, fazendo com que os pilotos mudem completamente suas táticas de voo, abandonando a principal vantagem, a interceptação de alvos aéreos em velocidade supersônica.

    Especialistas norte-americanos acreditam que o caça F-35 seguirá "sugando" dinheiro do orçamento do país devido aos seus altos custos de manutenção e das melhorias constantes de que precisa.

    A Lockheed Martin deve entregar aproximadamente 2,5 mil caças F-35 para Força Aérea dos EUA e aliados, que compraram a aeronave, muitas vezes por serem pressionados pelo governo norte-americano.

    Dentre os maiores compradores dos caças "invisíveis" estão Reino Unido, Japão e Austrália.

    Mais:

    Pentágono decide o que fazer com F-35 produzidos inicialmente para Turquia
    Coreia do Sul revela projeto de novo porta-aviões adaptado para caças F-35 (FOTO)
    Com cada vez menos encomendas nos EUA, caças F-35 estabilizarão preço
    Tags:
    Pentágono, Força Aérea dos EUA, EUA, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar