05:32 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    13862
    Nos siga no

    O chefe do Estado-Maior, Valery Gerasimov, informou ao presidente russo, Vladimir Putin, que o míssil hipersônico Tsirkon atingiu com sucesso seu alvo no mar de Barents.

    O míssil Tsirkon foi lançado pela fragata Admiral Gorshkov do mar Branco com o objetivo de atingir seu alvo no mar de Barents, percorrendo 450 quilômetros a uma velocidade superior a Mach 8, afirmou Gerasimov nesta quarta-feira (7).

    No teste bem-sucedido, o míssil Tsirkon percorreu a uma velocidade média de 1,6 quilômetro por segundo ou 5,7 quilômetros por hora (Mach 8), alcançando uma altitude máxima de 28 quilômetros em 4,5 minutos.

    O trabalho realizado no sistema hipersônico Tsirkon e a etapa bem-sucedida de teste deste míssil são um grande passo não apenas para as Forças Armadas russas, mas para todo o país, declarou o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

    "O trabalho [realizado] no sistema Tsirkon e a etapa bem-sucedida de teste deste míssil são um grande acontecimento não só para as Forças Armadas da Rússia, mas para todo o país, pois a equipagem de nossas Forças Armadas, Exército e Marinha com o que há de mais moderno e sem análogos no mundo certamente garante a capacidade de defesa do nosso Estado a longo prazo", afirmou Putin.

    O líder russo parabenizou todos que trabalharam no míssil hipersônico Tsirkon.

    "Nós sabemos que um trabalho como este exige um grande esforço de nossos cientistas, construtores, trabalhadores talentosos e especialistas militares. Este é um grande passo para os novos sistemas em nossas Forças Armadas", acrescentou o presidente.

    O armamento, que é produzido na região de Moscou, deverá armar as fragatas do projeto 22350, assim como os submarinos nucleares dos projetos 885 e 885M Yasen.

    Sabe-se que o Tsirkon foi projetado para neutralizar tanto alvos marítimos como terrestres.

    Tags:
    míssil hipersônico, míssil de cruzeiro, míssil balístico, lançamento, Rússia, míssil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar