06:02 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    14575
    Nos siga no

    O Exército de Libertação Popular da China publicou vídeo de um eventual bombardeio do território dos EUA no Pacífico, como um possível aviso às ações de Washington.

    A Força Aérea do Exército de Libertação Popular (ELP) da China publicou no sábado (19) em sua conta no aplicativo Weibo um vídeo demonstrando o que parece ser um ataque de bombardeiros nucleares a Guam, ilha não incorporada dos EUA no Pacífico, informa a agência Reuters.

    Um vídeo emitido pela Força Aérea do ELP no sábado (19), declarando que a força é a guardiã da segurança territorial do ar/espaço da China.

    O vídeo usa "música solene e dramática, como um trailer de um filme de Hollywood", no qual bombardeiros com capacidade nuclear H-6 decolam de uma base deserta, mostra um piloto apertando um botão e lançando um míssil em uma pista marítima sem nome, seguido por uma explosão.

    Nem o Ministério da Defesa da China nem o Comando Indo-Pacífico dos EUA responderam imediatamente a um pedido de comentários sobre o vídeo, relata a Reuters.

    "O vídeo tem o objetivo de advertir os americanos de que mesmo posições supostamente seguras, como Guam, podem estar sob ameaça quando conflitos sobre pontos de fulgor regionais, seja em Taiwan ou no mar do Sul da China, entram em erupção", afirmou Collin Koh, pesquisador do Instituto de Defesa e Estudos Estratégicos de Singapura.

    A Força Aérea da China realizou na sexta-feira (18) exercícios militares perto de Taiwan, reivindicada por Pequim sob a política de "uma só China", pelo segundo dia consecutivo, como resposta à visita de um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA a Taipé.

    Mais:

    EUA dão ordem de zarpar a diversos submarinos no Pacífico como mensagem para China, diz mídia
    EUA posicionam 4 bombardeiros B-1B em Guam para missões no Indo-Pacífico
    Seria apocalipse? VÍDEO mostra objeto 'incendiando' céu no Pacífico
    Bola de fogo voa próximo de base dos EUA em VÍDEOS surpreendentes
    Tags:
    Weibo, Reuters, Ministério da Defesa da China, Força Aérea da China, EUA, China, Guam
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar