16:02 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    444
    Nos siga no

    A Marinha dos EUA ordenou a elaboração de planos para a construção de um grande navio de superfície não tripulado, disse a Lockheed Martin em comunicado à imprensa nesta quinta-feira (17).

    "A Lockheed Martin fornecerá um estudo para um navio de carga comprovado, integrado e capaz de patrulhar por longos períodos como parte da competição Grande Embarcação de Superfície Não Tripulada (LUSV, na sigla em inglês) da Marinha dos EUA", afirmou a companhia.

    A Lockheed Martin disse no comunicado que está fazendo uma parceria com a Vigor Works Company, empresa de Portland, Oregon, para construir o navio. O projeto de US$ 7 milhões, cerca de R$ 37 milhões na cotação desta quinta-feira (17), a ser entregue em um ano, usará um navio comercial ampliado com elementos de automação, autonomia e segurança cibernética para abrigar uma carga útil, explicou a empresa.

    O projeto aproveitará a tecnologia Sikorsky MATRIX da Lockheed Martin, que foi usada para pilotar um helicóptero por meio de um tablet, e a tecnologia de controle AXIS, utilizada para controlar mais da metade dos navios de superfície da Marinha estadunidense.

    De acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso, a Marinha dos Estados Unidos pretende investir, no ano fiscal de 2021, cerca de US$ 580 milhões, aproximadamente R$ 3,07 bilhões na cotação desta quinta-feira (17), no desenvolvimento de embarcações autônomas.

    Mais:

    Marinha chinesa é a maior do mundo, com 350 navios de guerra, diz relatório do Pentágono
    Problemas orçamentários ameaçam atrasar construção de submarinos da Marinha dos EUA
    Marinha dos EUA encerra busca por tripulante desaparecido de porta-aviões no mar Arábico
    O ideal para Marinha do Brasil seria dispor de 2 porta-aviões, avalia analista militar
    Marinha dos EUA solicita cerca de US$ 600 milhões para desenvolver frota de navios não tripulados
    Tags:
    projeto, Lockheed Martin, militar, Marinha dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar