15:58 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    155
    Nos siga no

    Recente relatório do Serviço de Pesquisa do Congresso revela que Marinha dos EUA pode substituir os navios tradicionais por aparelhos autônomos não tripulados, que espera desenvolver nos próximos anos.

    De acordo com o relatório, a Marinha planeja desenvolver e produzir vários tipos de grandes navios não tripulados, e está solicitando cerca de US$ 580 milhões (R$ 3,06 bilhões) para a pesquisa e desenvolvimento destes veículos e tecnologias relacionadas para o ano fiscal de 2021.

    "A Marinha quer adquirir esses grandes veículos não tripulados como parte de um esforço para mudar a Marinha para uma arquitetura de frota mais diversificada", lê-se no documento, que indica ainda que essa frota incluiria menos cruzadores e destróieres de mísseis guiados e mais fragatas e navios de combate litorâneos.

    O relatório aponta também que, enquanto os veículos não tripulados de menores dimensões podem ser implantados a partir de navios e submarinos tripulados da Marinha para "alargar o alcance operacional desses navios e submarinos", os grandes veículos autônomos são mais propensos "a serem implantados diretamente do cais para executar missões que poderiam ter sido atribuídas a navios e submarinos tripulados".

    Além disso, as grandes embarcações de superfície não tripuladas teriam um comprimento de 60 a 90 metros e capacidade de carregar armas como "cargas úteis de guerra antissuperfície e ataque, ou seja, essencialmente mísseis antinavio e de ataque terrestre".

    A Marinha dos EUA planeja desenvolver dois protótipos de navios não tripulados no próximo ano, um em 2022 e outro em 2023.

    Mais:

    Pentágono pretende criar avião que muda de forma em voo
    Revelados detalhes da nova classe de navios totalmente autônomos desenvolvidos pelo Pentágono
    Seriam embarcações não tripuladas o futuro da Marinha dos EUA?
    Tags:
    Congresso dos EUA, veículos não tripulados, navio de guerra, veículos autônomos, Marinha dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar