15:17 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    8451
    Nos siga no

    A Forbes cita que um projetista de aeronaves da China pode estar desenvolvendo um caça semelhante ao norte-americano F-35.

    "Um caça revolucionário de próxima geração, caracterizado pelo longo alcance [...] e poder de fogo [...] está prestes a surgir em meio a uma competição entre grandes potências", cita a Forbes o jornal Global Times.

    O planejado caça furtivo de próxima geração deve ser desenvolvido até 2035, segundo o projetista-chefe do caça J-20, Yang Wei.

    Caça furtivo chinês J-20
    Caça furtivo chinês J-20

    Yang citou que a futura aeronave deverá ter um maior alcance, maior capacidade furtiva, maior resistência e uma carga maior de armas, bem como previsões e imagens do campo de batalha para facilitar a atuação do piloto.

    "Em um sistema integrado, a aeronave deve ser capaz de formar uma rede, desenhar imagens integradas da situação em tempo real, criar múltiplas rotas de ataque e transmitir informações sobre os alvos entre áreas de missão em tempo real", informa o Global Times.

    O projetista também ressalta que a tecnologia furtiva e as contramedidas eletrônicas deverão ser priorizadas, visto que a produção e participação dos drones em campo de batalha seguem crescendo.

    Com isso, o novo caça chinês deverá se parecer com o norte-americano F-35, que foi projetado para ser conectado, tendo uma ampla automação, incluindo um sistema de fusão de sensores.

    Desta forma, como aponta a Forbes, o gigante asiático segue se movimentando e focando seus esforços em direção a um tipo de combate mais ocidental.

    Mais:

    Índia planeja adquirir 33 caças russos sob diretiva de emergência em meio a tensões com China
    China aciona caças Su-30 após avião militar dos EUA sobrevoar Taiwan, revela mídia
    Taiwan intercepta caça chinês J-10 em sua zona de identificação de defesa aérea
    Tags:
    F-35, J-20, China, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar