06:03 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    14889
    Nos siga no

    Pequim "sempre foi firmemente contrária" a estas ações e as considera um problema importante que deteriorou "a paz e a estabilidade regionais".

    A China se verá obrigada a responder se os Estados Unidos concluírem um novo envio de armas a Taiwan, assegurou o porta-voz do Ministério da Defesa da China, Wu Qian, nesta quinta-feira (27) em uma coletiva de imprensa.

    "Se os EUA insistem em promover uma nova ronda de venda de armas a Taiwan, a China tomará todas as medidas necessárias para neutralizar", salientou Wu.

    De acordo com o porta-voz ministerial, estas ações são consideradas por Pequim um "problema importante" que "debilitou" as relações entre as forças armadas de ambos os países. "A paz e a estabilidade regionais" se deterioraram e, portanto, a China "sempre foi firmemente contrária", afirmou.

    "Sobre este assunto, o posicionamento da China é claro. Depois que os EUA anunciaram a venda de 66 caças F-16V ao Exército de Taiwan no ano passado, a China manifestou imediatamente sua firme oposição", reiterou Wu.

    Em 2019, Taiwan obteve luz verde de Washington para modernizar suas defesas com a compra de 66 aeronaves. O acordo, que também inclui 108 tanques Abrams M1A2T e 250 mísseis Stinger, fez com que Pequim prometesse sancionar empresas dos EUA que participassem da transação.

    Pequim solicitou que Washington deixasse de vender armas à sua região administrativa especial para "evitar prejudicar ainda mais os laços sino-norte-americanos e a paz e estabilidade do estreito de Taiwan".

    Mais:

    EUA formalizam venda de 66 aviões F-16 para Taiwan em meio a tensões elevadas com China
    Proposta de aumento do orçamento militar de Taiwan em 10% seria plano dos EUA de 'cercar China'?
    Pequim dispara mísseis no mar do Sul da China em 'aviso' aos EUA, diz jornal
    Tags:
    acordo militar, caça, defesa, Lockheed Martin, Taiwan, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar