19:05 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2340
    Nos siga no

    O novo tanque russo T-14 Armata impressionou a revista norte-americana The National Interest após passar com êxito pelos testes de condução autônoma.

    A revista ressalta que o tanque russo, considerado o único de terceira geração pós-guerra no mundo, mostrou do que é capaz e que nele foram resolvidas as dificuldades relacionadas com uma questão muito complexa, a utilização da condução por controle remoto em veículos blindados.

    Durante os testes, o corpo do T-14 foi equipado com câmeras que forneceram uma visão em 360 graus, bem como forneceram dados aos tripulantes sobre a situação envolvente.

    Outra característica que chamou a atenção da revista norte-americana é a torre desabitada com um canhão 2А82-1М de 125 milímetros tendo um sistema de carregamento totalmente automático.

    Tanque T-14 Armata na Praça Vermelha (imagem ilustrativa)
    © Sputnik / Aleksei Filippov
    Tanque T-14 Armata na Praça Vermelha (imagem ilustrativa)

    O armamento do T-14 é apontado automaticamente, com o sistema realizando os cálculos necessários, bem como a obtenção de dados relevantes, como orientação angular, navegação inercial, direção e velocidade do vento, temperatura e umidade do ar.

    Além disso, o veículo pode atingir os 90 quilômetros por hora, fazendo com que tenha uma mobilidade maior que a do tanque norte-americano M-1 Abrams.

    A National Interest também observa que o novo tanque russo poderá realizar operações de reconhecimento, determinar alvos e coordenar o fogo de peças de artilharia autopropulsadas, sistemas de mísseis terra-ar e até mesmo de tanques T-90.

    Mais:

    Conheça os duros testes a que os tanques russos T-14 e T-90 são submetidos
    Exército russo recebe primeiros novos tanques modernizados T-90M (VÍDEO)
    Tanque russo T-14 Armata passa por testes na Síria
    Tags:
    veículos autônomos, Rússia, veículo blindado, tanques, tanque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar