18:52 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2280
    Nos siga no

    Chamada Gran, a nova arma pode operar com eficácia em ambientes nos quais os morteiros e a artilharia normais são pouco eficazes, segundo foi relatado.

    As Forças Armadas da Rússia deverão receber o novíssimo sistema de morteiros Gran, com granadas guiadas de alta precisão, comunicou à Sputnik o serviço de imprensa da empresa desenvolvedora, o holding Vysokotochnye Compleksy (Sistemas de Alta Precisão, em português), pertencente à corporação estatal russa Rostec e que tem o objetivo de ajudar a financiar a exportação de bens manufaturados de alta tecnologia.

    Disparo de morteiros na competição Mestres de Fogo de Artilharia 2019 no polígono Kadamovsky, região de Rostov, Rússia
    © Sputnik / Sergei Pivovarov
    Competição de morteiros na Rússia em 2019

    Gran é um sistema de armas guiadas para morteiros de 120 milímetros raiados e de alma lisa. Tem como principais características:

    • pode disparar vários morteiros simultaneamente em vários alvos sem eles se interferirem mutuamente;
    • pode disparar com os lançadores tendo uma preparação balística meteorológica reduzida;
    • pode acertar em alvos que se movimentam em passagens estreitas e localizados atrás de abrigos com obstáculos altas.

    O Gran pode proporcionar um alto nível de impacto em alvos devido a sua grande eficiência, reduzido número de recursos envolvidos e baixo consumo de granadas guiadas, nos mesmos ambientes em que morteiros e artilharia convencionais são virtualmente ineficazes, relata o comunicado.

    Os ensaios estatais estão programados para 2021.

    Mais:

    'Carrossel de artilharia': sistemas russos Grad e Uragan destroem 'inimigo' (VÍDEO)
    Soldados 'invisíveis': saiba como experiência na Síria é usada por franco-atiradores da Rússia
    Máquina do futuro: sai 1º lote do novíssimo sistema de artilharia autopropulsada russo
    Tags:
    Rússia, Rostec, Forças Armadas, Forças Armadas da Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar