13:55 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1570
    Nos siga no

    Submarinos russos foram capacitados para disparar mísseis balísticos intercontinentais através do gelo do Polo Norte.

    Com isso, as embarcações russas serão capazes de disparar destruidores de gelo, que romperão a camada de gelo do Ártico, antes de lançar seus mísseis balísticos através do buraco, conforme publicação da Forbes. 

    Tanto os submarinos russos quanto os norte-americanos usam esta camada de gelo, que pode chegar a quase cinco metros de profundidade, como uma forma de se deslocarem sem ser detectados.

    Contudo, esta estratégia pode ser prejudicial quando há necessidade de disparar mísseis com ogivas termonucleares, o que poderia ter sérias consequências tanto para os mísseis quanto para os submarinos.

    Submarino nuclear russo Vladimir Monomakh de classe Borei
    © Sputnik / Ildus Gilyazutdinov
    Submarino nuclear russo Vladimir Monomakh de classe Borei

    Além disso, embora o submarino possa usar o casco para perfurar o gelo, a ação poderia danificar a embarcação, além de poder não haver tempo suficiente para procurar uma posição favorável ao lançamento do míssil a tempo.

    Entretanto, em um conflito nuclear, o submarino pode não ter tempo suficiente para procurar um buraco no gelo ou navegar para fora da calota. Pensando nisso, a Marinha russa desenvolveu um foguete dotado de uma ogiva altamente explosiva para abrir um buraco no gelo, permitindo a passagem do míssil balístico.

    O foguete quebra-gelo está sendo desenvolvido para os novos submarinos de mísseis balísticos das classes Borei e Yasen.

    Mais:

    Knyaz Vladimir: a nova 'pérola' submarina da frota é entregue à Marinha russa (FOTOS)
    'Melhor armados e mais silenciosos': mídia dos EUA avalia capacidades de novos submarinos russos
    Armado até aos dentes: submarino russo de 5ª geração é avaliado por mídia chinesa
    Tags:
    Polo Norte, Rússia, submarino, míssil balístico intercontinental, míssil balístico, míssil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar