07:49 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    5281
    Nos siga no

    O drone RQ-4 Global Hawk, descrito como uma aeronave de vigilância de alta altitude, segue sendo rejeitado tanto pela Índia quanto pelo Japão.

    Projetado para missões de vigilância de longo alcance e alta altitude, com uma envergadura de 40 metros e um custo unitário exorbitante de US$ 220 milhões (R$ 1,2 bilhão), o drone norte-americano tinha como conceito ser imune aos mísseis terra-ar.

    No entanto, no dia 20 de junho de 2019, o Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC, na sigla em inglês) do Irã abateu um aparelho Global Hawk utilizando um sistema russo de defesa antiaérea S-300, o que revelou as vulnerabilidades da aeronave norte-americana.

    O abate prejudicou o conceito do drone RQ-4, criando uma imagem de "caro demais para ser derrubado", já que a aeronave não é furtiva, não carrega munições e, afinal, é vulnerável aos sofisticados sistemas de defesa modernos, segundo o Eurasian Times.

    "Não podemos utilizar drones tão caros, correndo o risco de serem abatidos. Eles não são bons para vigilância sobre o oceano, então não são úteis", afirmou uma fonte ao Japan Times.

    Além disso, a Força Aérea dos EUA planeja aposentar o Global Hawk, o que resultaria em elevados custos adicionais para os clientes, como o Japão e a Índia.

    Mais:

    Trump planeja rever tratado de armas da Guerra Fria para vender mais drones dos EUA, diz agência
    Novo drone da Força Aérea dos EUA poderá voar e combater de forma autônoma, revela mídia
    EUA transferem drones espiões para mar do Sul da China em meio a tensões com Pequim
    Tags:
    RQ-4 Global Hawk, veículo aéreo não tripulado, veículo autônomo, drone, EUA, Japão, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar