07:23 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    5334
    Nos siga no

    Marinha chinesa está construindo vasta rede de plataformas com sensores, radares e sonares, tanto em suas águas territoriais quanto em internacionais do mar do Sul da China, segundo mídia.

    As plataformas contam com diferentes tecnologias que oficialmente são instaladas para o uso civil.

    Contudo, em sua publicação na revista Forbes, o especialista em defesa H. I. Sutton acredita que tais plataformas poderiam ser usadas facilmente para objetivos militares.

    "Sendo ostensivamente civis, estas [plataformas] podem ser vistas como parte dos esforços da Marinha chinesa para controlar o mar do Sul da China. É irrealista assumir que os dados de seus sensores não podem ser acessados pela Marinha chinesa para propósitos militares", escreveu o especialista.

    Contudo, Sutton também afirma que as plataformas poderiam ser somente a parte visível de uma rede de sensores submarinos, invisíveis às embarcações de superfície.

    Plataformas com sensores

    Entre as tecnologias presentes nas plataformas foram citados sensores eletro-ópticos e de infravermelho, mastros de redes celulares e de rádio de alta frequência, enquanto os radares aparentam ser os sensores primários, ocupando posição de destaque nas estruturas flutuantes.

    Desta forma, a China pode ter ampliado consideravelmente seu campo de vigilância por radar, tendo uma rede de sensores que vão desde Hainan até suas bases nas ilhas Paracel e Spratly.

    Imagem de satélite mostrando o recife de Fiery Cross no arquipélago Spartly no mar do Sul da China, onde Pequim teria construído instalações em 2017, segundo o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS)
    © AP Photo / Iniciativa de Transparência Marítima da Ásia do CSIS/DigitalGlobe
    Imagem de satélite mostrando o recife de Fiery Cross no arquipélago Spartly no mar do Sul da China, onde Pequim teria construído instalações em 2017, segundo o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS)

    Além de não necessitarem da presença humana, as plataformas também requerem pouca manutenção, segundo Sutton.

    Ainda se referindo à dita rede de sensores submarinos, o especialista afirma que esta é chamada de Grande Muralha Submarina, tendo sonares no leito marinho se assemelhando ao sistema norte-americano SOSUS, implantado pela Marinha americana durante a Guerra Fria.

    Embora seja reportada a existência de tal rede de sensores submarinos, suas localizações seriam de cunho militar, não podendo ser reveladas ao público.

    Território disputado

    A rede de sensores é instalada em uma região fortemente disputada também por Filipinas, Vietnã, Malásia, Brunei e Taiwan.

    Por sua vez, a China reclama como parte de seu território marítimo toda a área, incluindo ilhas e recifes que de fato pertenceriam a outros países, acrescentou Sutton.

    ​Nesta postagem nós usamos dados de OSINT para olhar para a base da China no recife de Hughes, localizado nas disputadas ilhas Spratly no mar do Sul da China. A base, um pequeno posto avançado antes de 2015, foi transformada em uma base militar totalmente completa.

    Apesar de instalar tais tecnologias em suas águas litorâneas, a China estaria também ampliando tal rede em águas internacionais, mas ela afirma se tratar de território seu.

    Comentando o assunto, Collin Koh, especialista da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam, Singapura, ressaltou a sensibilidade da questão.

    "Esta zona engloba na totalidade áreas sensíveis [...] Hainan é uma base crucial para a Marinha chinesa, não só por ser um centro naval, mas também por ser a dissuasão marítima nuclear do país", disse Sutton citando Koh.

    Mais:

    China exorta Trump a não abrir 'caixa de Pandora' com a aquisição do TikTok
    Base aérea no extremo oeste da China pode estar abrigando bombardeiros nucleares, diz mídia
    Visão negativa da China atinge alta histórica nos EUA, indica pesquisa
    Tags:
    sonar, radar, vigilância, Vietnã, China, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar