17:13 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    141003
    Nos siga no

    Lançamentos do novo míssil russo Tsirkon a partir da fragata Admiral Gorshkov comprovaram as características únicas do armamento, segundo a Defesa russa.

    Ainda em 2019, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, havia anunciado que o novo míssil teria uma velocidade hipersônica de Mach 9, e alcance superior a mil quilômetros.

    Os últimos testes da arma hipersônica, a partir de uma fragata, foram "completados com êxito".

    "Realizados a partir da fragata Admiral Gorshkov, os lançamentos experimentais confirmaram as características únicas tático-técnicas do míssil em relação ao seu alcance e precisão, assim como a velocidade hipersônica do seu voo", informou o Ministério da Defesa da Rússia.

    O armamento, que é produzido na região de Moscou, deverá armar as fragatas do projeto 22350, assim como os submarinos nucleares dos projetos 885 e 885M Yasen.

    Sabe-se que o Tsirkon foi projetado tanto para neutralizar alvos marítimos como terrestres.

    Drone submarino Poseidon

    Além disso, a Marinha russa, junto com empresas da indústria nacional de defesa, está submetendo a testes o primeiro submergível que carregará o drone submarino Poseidon.

    Atualmente, a tripulação da embarcação continua sendo treinada no manejo da nova arma e de seu portador.

    Capaz de operar em até mil metros de profundidade, o Poseidon possui uma carga nuclear de até 100 megatons.

    Navegando a uma velocidade entre 110 km/h e 130 km/h, o Poseidon pode percorrer até dez mil quilômetros, sendo capaz de destruir portos e cidades costeiras.

    Mais:

    'Submarino com esteiras': tanque T-72 atravessa rio durante exercícios na Rússia (VÍDEO)
    Índia testa novo míssil antitanque realizando disparo de helicóptero (VÍDEO)
    Coreia do Norte desafia previsões ocidentais modernizando submarinos que ameaçariam EUA, diz revista
    Tags:
    míssil hipersônico, Exército da Rússia, Rússia, míssil, Tsirkon
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar