04:44 25 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2414
    Nos siga no

    Enquanto analistas notam que os EUA voltaram aos seus métodos tradicionais de dissuasão, as rotas de bombardeiros americanos incluem agora países anteriormente vistos como neutros.

    Atualmente, a atividade militar norte-americana está se desenvolvendo mais rápido que a da Rússia, com aeronaves cruzando frequentemente latitudes mais elevadas, afirmou o canal NRK, sugerindo que os EUA estão "fortalecendo sua presença no Extremo Norte".

    De acordo com o canal, os bombardeiros dos EUA costumavam ser raros visitantes no espaço aéreo norueguês, porém, este cenário está rapidamente mudando. A Suécia, que se declarou neutra há mais de 100 anos, presencia o mesmo.

    "Recentemente, vimos bombardeiros dos EUA cruzando a Suécia e a Noruega. O fato de que o moderno bombardeiro estratégico B-1B está sobrevoando a Suécia, antes neutra, é completamente novo. Não víamos isso antes", afirmou o conselheiro militar Per Erik Solli da Universidade do Norte (Noruega) à rede NRK.

    O voo em questão ocorreu há um mês. Dois bombardeiros supersônicos US B-1 sobrevoaram a Suécia acompanhados de caças suecos. Após reabastecerem, continuaram sobrevoando a Noruega com caças noruegueses F-35.

    F-35 da Força Aérea da Noruega
    F-35 da Força Aérea da Noruega

    "Estes exercícios fortalecem a parceria com nossos aliados e demonstram nossa capacidade de resposta a nível mundial, a partir de qualquer lugar", afirmou Jeffrey Harrigian, comandante da Força Aérea dos EUA na Europa.

    O ministro da Defesa da Noruega, Frank Bakke-Jensen, afirmou que a OTAN tem "em muitos aspectos retornado para sua antiga missão de dissuasão e segurança". De acordo com ele, a inclusão da Suécia nesta cooperação reflete a compreensão do fato de que uma guerra ou crise afetaria todos os países nórdicos.

    "Anteriormente, a Suécia e a Finlândia se referiam a si mesmas como países neutros. Elas não o fazem mais. Agora se referem como não alinhadas, mas são parte da cooperação de defesa ocidental. Isto é novo, mas também é algo que Suécia e Finlândia desejam", salienta Bakke-Jensen.

    Por sua vez, o ministério norueguês expressou que não há um registro da frequência com que os aviões aliados aparecem no espaço aéreo do país, o que torna difícil avaliar com precisão o aumento.

    "O que podemos ver agora, que também é novo, é que os americanos começaram a usar seus modernos navios e bombardeiros para enviar sinais geopolíticos. O fato de a Suécia também estar envolvida nesta sinalização com os EUA é um desenvolvimento completamente novo", comenta Per Erik Solli.

    "Vemos que os EUA estão retornando para uma dissuasão mais tradicional. E, além do equilíbrio militar contra a Rússia, os americanos estão fazendo o mesmo contra a China agora", acrescentou o especialista.

    Contudo, Jonas Gahr Store, líder do Partido Trabalhista da Noruega, avalia:

    "Nunca devemos chegar a uma situação em que outros Estados nos empurram para um novo nível de tensões em nossas proximidades sem que nós estejamos envolvidos. É do interesse da Noruega garantir uma baixa tensão. Existem todas as razões para prestar atenção."

    Anteriormente, diversos outros partidos locais demonstraram preocupação pelo aumento das tensões entre os EUA e a Rússia, que, de acordo com eles, poderia comprometer a segurança da Noruega.

    Mais:

    Aviões antissubmarino russos Tu-142M sobrevoam mares de Barents e da Noruega (VÍDEO)
    Força Aérea dos EUA expande capacidades ofensivas armando aviões cargueiros com bombas
    Bombardeiros B-52 dos EUA e aviões de combate japoneses treinam em conjunto no Indo-Pacífico
    Tags:
    Escandinávia, Noruega, Suécia, EUA, Bombardeiro, defesa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar