23:37 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    6270
    Nos siga no

    Pequim precisa modernizar e aumentar sua capacidade militar para se defender das ameaças estratégicas dos EUA, afirmou nesta quarta-feira (8) Fu Cong, diretor-geral do Departamento de Controle de Armas do Ministério das Relações Exteriores da China.

    "Não estou em posição de confirmar ou negar que a China está trabalhando no aumento de seu arsenal nuclear. Eu quero dizer que existe uma enorme diferença entre o arsenal nuclear dos EUA e o da China", disse Fu Cong.

    "Pensamos não só na questão de os EUA estarem desenvolvendo suas capacidades nucleares, como também de eles estarem desenvolvendo e implantando seus sistemas de defesa antimísseis perto da China, além de desenvolverem armas no espaço [...]. Eles deixaram claro que planejam implantar mísseis terrestres de médio alcance às portas da China", comentou o diplomata em coletiva de imprensa.

    O funcionário chinês ressaltou que tudo isso constitui uma ameaça estratégica à segurança da China, por isso não é de estranhar que Pequim necessita melhorar suas capacidades militares, mas vai as manter no nível mínimo requerido, bem como não alterará sua política de não usar a força militar.

    Míssil nuclear (arquivo)
    © AP Photo / Charlie Riedel
    Míssil nuclear (arquivo)

    "Porém, isso não significa que a China não deva modernizar suas ogivas nucleares ou sistemas militares, claro que devemos, porque temos de proteger nossa segurança", sublinhou Fu Cong.

    De acordo com ele, se Washington está preocupado que Pequim possa no futuro aumentar seu arsenal nuclear, eles têm que resolver primeiro a situação presente.

    Estima-se que a Rússia e os EUA tenham um pouco mais de 6.000 ogivas cada, enquanto a China tem 290, a França – 300 e o Reino Unido – 200, de acordo com os números de 2019 fornecidos pela Associação de Controle de Armas sediada nos EUA.

    Mais:

    Porta-voz: Rússia enfatizou aos EUA a importância de retirarem armas nucleares da Europa
    França lança míssil M51 para reafirmar sua capacidade de dissuasão nuclear
    Confusão dos EUA não deve trazer China para negociação sobre armas nucleares, diz analista
    Tags:
    EUA, START III, Fu Cong, China, ogiva nuclear, arma nuclear, armamentos, míssil nuclear
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar