08:25 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2245
    Nos siga no

    O Sistema Principal de Combate Terrestre, que está sendo desenvolvido desde 2012, será mais leve que os Leopard 2 e Leclerc da Alemanha e França, respectivamente, e terá melhor canhão e munição.

    A França e a Alemanha estão construindo um tanque chamado Sistema Principal de Combate Terrestre (MGCS, na sigla em inglês) para substituir os Leopard 2 (de produção alemã) e Leclerc (de produção francesa), escreve a revista National Interest.

    O mais novo deles, o Leclerc, estreou no início dos anos 90 e, embora o desempenho de ambos os tanques continua sendo satisfatório, os países europeus precisariam de uma arma modernizada.

    A mídia indica que o MGCS, também chamado de Leopard 3, é seis toneladas mais leve que seus antecessores.

    É planejado que o MGCS use um canhão principal de 130 milímetros, desenvolvido pela companhia alemã Rheinmetall, em vez do Rh-120 L/55, ou suas variantes, utilizado praticamente por todos os tanques da OTAN.

    Além disso, a munição é "mais longa e tem um diâmetro maior e é um passo em frente, tanto em termos de potencial de penetração quanto de alcance".

    História do desenvolvimento do tanque

    O MGCS está em desenvolvimento desde 2012, segundo o portal Janes.com. Um vídeo de um protótipo em 2018 o mostra em ação, sendo sua entrada em serviço apontada para 2035.

    Foi decidido que o desenvolvimento fosse repartido entre a França e a Alemanha para combinar as melhores partes já disponíveis, mas também para quebrar o estigma de colaboração em defesa devido às guerras históricas entre os dois países.

    Mais:

    Conheça 'o maior desafio' em caso de guerra OTAN-Rússia, segundo mídia americana
    Pentágono prepara desdobramento de tropas de grandes dimensões na Europa
    NI avalia superioridade do tanque russo T-14 Armata sobre blindados da OTAN
    Tags:
    The National Interest, Leclerc, Leopard 2, Alemanha, França, OTAN
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar