17:32 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    4101
    Nos siga no

    Um relatório da Auditoria-Geral dos EUA (GAO, na sigla em inglês) alertou que a produção do projétil GBU-53 StormBreaker da Força Aérea dos EUA, também conhecido como Bomba de Pequeno Diâmetro II (SDB, na sigla em inglês), sofreu um atraso de um ano.

    Segundo a autoridade norte-americana, o atraso teria ocorrido devido a um problema descoberto nas asas dobráveis da bomba planadora.

    A SDB é uma munição de 93 quilos equipada com longas asas planadoras, o que lhe permite voar até 74 quilômetros após ser lançada, aproximando-se do alvo com três métodos de busca: imagens infravermelhas, radar de ondas milimétricas e orientação a laser.

    Prevê-se que a bomba seja utilizada nos caças F / A-18 Hornet, F-15 Eagle e F-35 Lightning II.

    Entretanto, um sério problema com as asas planadoras da bomba atrasou a produção e a capacidade operacional inicial (IOC, na sigla em inglês) por quase um ano, segundo o relatório da GAO.

    Bomba Raytheon GBU-53 StormBreaker, também conhecida como Bomba de Pequeno Diâmetro II (SDB) (ilustração gráfica)
    © Foto / Raytheon
    Bomba Raytheon GBU-53 StormBreaker, também conhecida como Bomba de Pequeno Diâmetro II (SDB) (ilustração gráfica)

    O porta-voz da Força Aérea dos EUA, capitão Jake Bailey, afirmou ao portal Defense News que o problema estaria no "dispositivo de armazenamento do estabilizador de reserva", causado pela "fadiga da vibração durante longos voos ".

    De acordo com a GAO, os longos estabilizadores (asas) da bomba, que permanecem dobrados no topo da munição durante o armazenamento, poderiam "abrir-se antes do lançamento".

    "Embora o problema possa afetar todas as aeronaves que transportam a bomba, as autoridades afirmaram que o maior impacto é no F-35, pois a munição é transportada no compartimento interno da aeronave, podendo causar sérios danos caso os estabilizadores forem acionados enquanto a bomba estiver no compartimento", observa o relatório.

    A SDB seria de grande utilidade para os F-35, já que o compartimento interno de bombas da aeronave furtiva não é suficientemente grande para armazenar muitas armas.

    Bomba Raytheon GBU-53 StormBreaker, também conhecida como Bomba de Pequeno Diâmetro II (SDB), transportada em um F-15E Strike Eagle da Força Aérea dos EUA
    Bomba Raytheon GBU-53 StormBreaker, também conhecida como Bomba de Pequeno Diâmetro II (SDB), transportada em um F-15E Strike Eagle da Força Aérea dos EUA

    Com isso, a Raytheon foi forçada a modificar todas as 598 SDB entregues à Força Aérea dos EUA, alterando o projeto para reduzir a vibração dos estabilizadores.

    "A falha do estabilizador é o único motivo pelo qual a produção foi parcialmente interrompida; assim que a aprovação final do governo for obtida, a produção pode ser retomada", afirmou Bailey ao Defense News.

    As autoridades esperam que a capacidade operacional inicial seja obtida até agosto de 2020.

    Mais:

    F-35 da Força Aérea dos EUA cai durante voo de treinamento de rotina na Flórida
    Comando da Finlândia é acusado de favorecer F-35 em concurso de caças
    'Devíamos fazer tudo nos EUA', afirma Trump sobre caça F-35
    Tags:
    Força Aérea, eua, F-35, munição, bombas, bomba, míssil, avião de assalto, avião de combate, avião de ataque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar