13:15 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    156
    Nos siga no

    A nova estratégia de Operações Marítimas Distribuídas da Marinha dos EUA busca maior precisão em ataques a navios inimigos, na obtenção de dados de drones e na detecção e interceptação de mísseis balísticos.

    A Marinha dos EUA está impulsionando um novo conceito de Operações Marítimas Distribuídas (DMO, na sigla em inglês) para integrar cada vez mais diversos drones autônomos e melhorar a interação em tempo real de meios de ataque terrestre, aéreo e submarino.

    Este conceito sugere uma melhor orientação de armas contra navios inimigos, bem como a detecção e interceptação de mísseis balísticos.

    Nesta nova estratégia, as tecnologias e circuitos de antena recentemente patenteados possuem um papel importante. São avanços que permitiram melhorar as capacidades da Marinha dos Estados Unidos.

    Parte do programa corresponde a um contrato de "avaliação e desenvolvimento" recém-premiado pela Unidade de Inovação de Defesa e assinado com a Isotropic Systems, segundo o portal Warrior Maven.

    Segundo o presidente-executivo e fundador da Isotropic Systems, John Finney, o ambicioso plano busca "mesclar a capacidade comercial e militar de múltiplas frequências e de múltiplas órbitas para entregar dados de inteligência a uma única plataforma".

    O plano trata de conectar plataformas terrestres entre si e com satélites utilizando orientação guiada por GPS, frequências de rádio e outros sistemas eletrônicos.

    A ideia é que cada plataforma no solo opere independentemente, mas que também funcione como um elemento dentro de uma rede de guerra mais ampla.

    ​A Unidade de Inovação de Defesa dos EUA premiou um importante projeto de desenvolvimento de antenas da Isotropic Systems para testar a tecnologia de formação de feixe ótico em comunicações navais.

    A plataforma é uma nova tecnologia de antena de múltiplos feixes que emite um sinal eletrônico preciso e estritamente configurado a uma série de satélites simultaneamente e que oferecerá maior precisão com a vantagem adicional de requerer menos consumo de energia a bordo.

    A antena dependerá da inovadora tecnologia de lente ótica de formação de sinal da Isotropic, segundo o vice-presidente da I&D da Isotropic, Brian Billman.

    Além disso, Billman ressaltou que os Radares de Varredura Eletrônica Aerotransportados (AESA, na sigla em inglês) seguem sendo efetivos e amplamente operacionais, a nova antena conta com uma lente ótica para emitir feixes precisos a diversos satélites, mantendo um sinal confiável através de múltiplas frequências simultaneamente.

    A nova antena apresenta uma maior resistência operativa em combate, já que diversos sinais eletrônicos dispersos e de configuração estreita emitem um feixe menos detectável que o de uma antena AESA, explica Billman.

    Mais:

    Pentágono aconselha Marinha dos EUA a reduzir frota de porta-aviões, segundo relatório
    Forças iranianas monitoram navios da Marinha dos EUA no golfo Pérsico (VÍDEO)
    Marinha dos EUA: Su-35 russo faz 2ª intercepção 'perigosa' de P-8A Poseidon no Mediterrâneo (VÍDEO)
    Tags:
    capacidade militar, capacidade, radar, navios, Marinha dos EUA, Marinha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar