18:34 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    1299
    Nos siga no

    Em 5 de maio, mais de 250 soldados da Índia e China se envolveram em um impasse na região do Vale Galwan durante um patrulhamento na fronteira entre os dois gigantes asiáticos.

    Desde então, os dois lados começaram a enviar tropas adicionais de forma agressiva para reivindicar a área, que tem gerado atrito desde 1962.

    Citando diferentes fontes, o jornal Economic Times relatou que os soldados são enviados de outras regiões dos países.

    O Exército de Libertação Popular da China afirmou ter estabelecido novamente com sucesso o status quo na região, informou o jornal Global Times na segunda-feira (18).

    Tropas de defesa das fronteiras "aumentaram medidas de controle fronteiriço e tomaram as ações necessárias em resposta às construções ilegais de instalações de defesa da Índia, atravessando a fronteira em território chinês na região do Vale do Galwan".

    Contudo, a Índia considera ter autoridade sobre o território atualmente sob controle chinês. Em novembro de 2019, a Índia divulgou um mapa com os detalhes da fronteira com o país vizinho, retratando o território como sendo indiano.

    Os últimos atritos ocorreram no fim de abril, quando soldados indianos e chineses se envolveram em um conflito durante o patrulhamento da fronteira. A situação escalou desde então com choques físicos entre as tropas de ambos os países.

    A atual disputa entre os dois países é a maior desde 2017. Os gigantes asiáticos compartilham uma fronteira de mais de quatro mil quilômetros, que continua a ser um ponto polêmico nas relações diplomáticas dos dois países.

    Mais:

    Índia aciona caças Su-30 após detectar helicóptero militar chinês próximo de região fronteiriça
    Índia estaria buscando atrair mais de 1.000 empresas americanas que estão na China
    Índia e Bangladesh iniciam evacuação em massa devido a chegada de ciclone
    Tags:
    Índia, China, Defesa, tropas, fronteira, conflito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar