18:51 07 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3611
    Nos siga no

    A Agência de Desenvolvimento Espacial dos Estados Unidos (SDA, na sigla em inglês) deseja colocar em órbita um grupo de satélites capaz de rastrear armas hipersônicas.

    O projeto foi lançado pela SDA em 11 de maio, estipulando o lançamento dos satélites no ano fiscal de 2022, informa o portal C4ISRNET.

    Com resposta à solicitação sendo esperada até 29 de maio, o projeto ocorre conforme a agência norte-americana se prepara para lançar 20 satélites, o primeiro passo para sua meta de centenas de satélites interconectados operando em órbita terrestre baixa. Além disso, está nos planos lançar satélites com capacidades cada vez mais avançadas ao longo dos próximos dois anos.

    De acordo com a solicitação, a agência deseja que a contratante projete e construa oito satélites Amplo Campo de Visão (WFoV, na sigla em inglês), que serão dotados de sensores infravermelhos capazes de identificar armas hipersônicas.

    Satélite no espaço (imagem referencial)
    Satélite no espaço (imagem referencial)

    Os oitos satélites solicitados se integrarão à rede baseada no espaço de ligações cruzadas, que possibilita a troca de dados de satélite para satélite até disseminação de dados táticos para o sistema apropriado.

    Recentemente, os Estados Unidos têm voltado suas atenções a tecnologias espaciais, prevendo uma crescente competição militar e econômica com outras potências. No início de abril, Donald Trump assinou uma ordem executiva estabelecendo o direito dos Estados Unidos de explorar recursos espaciais, ou seja, da Lua e dos asteroides.

    Mais:

    Lançamento de satélite iraniano indica 'derrota da inteligência' dos inimigos de Teerã, diz militar
    Com novo foguete, China poderá concorrer com os EUA por atividades na Lua, segundo especialista
    Asteroide se aproxima perigosamente da Terra sem ser detectado por satélites
    Tags:
    satélite, espaço, EUA, Força Espacial Militar dos Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar