19:55 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3616
    Nos siga no

    Os EUA enviaram bombardeiros B-52 Stratofortress e B-2 Spirit para missões simultâneas na Europa e no Pacífico, enquanto os B-1B Lancer seguem no mar do Sul da China.

    No dia 7 de maio, seis bombardeiros B-2 Spirit e B-52 Stratofortress foram enviados para as áreas do Comando Europeu e Indo-Pacífico para missões de "prontidão e controle global", segundo o Comando Estratégico dos EUA (STRATCOM, na sigla em inglês).

    A STRATCOM comunicou que dois bombardeiros furtivos B-2 da base aérea de Missouri, dois B-52H da base aérea de Dakota do Norte e dois B-52H da base aérea de Louisiana haviam partido para conduzir as missões.

    "A implantação dinâmica dos bombardeiros de longo alcance e aeronaves de apoio do STRATCOM norte-americano mostrou a capacidade dos EUA de conduzir dissuasão estratégica sincronizada em qualquer parte do mundo contando com uma força pronta e letal", afirmou o STRATCOM.

    "Apesar do surto de COVID-19, estamos comprometidos com nossa missão em todos os domínios (aéreo, naval, terrestre, espacial e cibernético) contando com nossos aliados e parceiros", destaca.

    Um bombardeiro B-52 Stratofortress da Força Aérea dos EUA se afasta de um KC-135 da 100ª Ala de reabastecimento aéreo, no Reino Unido, após receber abastecimento durante uma missão do bombardeiro estratégico no dia 7 de maio de 2020
    Um bombardeiro B-52 Stratofortress da Força Aérea dos EUA se afasta de um KC-135 da 100ª Ala de reabastecimento aéreo, no Reino Unido, após receber abastecimento durante uma missão do bombardeiro estratégico no dia 7 de maio de 2020

    Anteriormente, dois bombardeiros B-1B Lancer foram enviados à base aérea de Andersen em Guam, após embarcações chinesas "expulsarem" um destróier norte-americano das ilhas disputadas.

    A Força Aérea do Pacífico (PACAF, na sigla em inglês) descreveu a missão como "dissuasão estratégica para reforçar a ordem internacional baseada em regras na região indo-pacífica".

    Um B-1B Lancer do Nono Esquadrão Expedicionário de Bombardeio conduz uma missão de treinamento nas proximidades do Japão, onde foi integrado à Força Aérea de Autodefesa do Japão, 12 de maio de 2020
    Um B-1B Lancer do Nono Esquadrão Expedicionário de Bombardeio conduz uma missão de treinamento nas proximidades do Japão, onde foi integrado à Força Aérea de Autodefesa do Japão, 12 de maio de 2020

    Os EUA seguem tentando frear o avanço e a presença chinesa na região, e além dos bombardeiros, os norte-americanos ainda usam a pandemia contra a China.

    Isso porque a administração Trump segue tentando "responsabilizar a China" pelo surto de COVID-19, alegando que Pequim organizou propositalmente a pandemia global e o colapso da economia dos EUA, chegando a sugerir que cientistas chineses haviam criado o vírus em laboratório. Entretanto, o Pentágono confirmou que não há qualquer evidência para acusar a China e que o vírus teria surgido de maneira natural.

    Mais:

    VÍDEO mostra voo rasante de bombardeiros Tu-22M3 na Rússia
    Motor supersônico do caça-bombardeiro Su-24M cria 'tornado dançante' (VÍDEO)
    Bombardeiros Tu-160 da Rússia são escoltados por caças da OTAN no mar Báltico (VÍDEO)
    Tags:
    EUA, bombardeiro estratégico, bombardeiro supersônico, bombardeiro nuclear, bombardeiros, Bombardeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar