00:30 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    9461
    Nos siga no

    A Marinha chinesa está fortalecendo sua frota, e agora conta com seis submarinos nucleares da classe Jin, ou Type 094A, segundo fontes militares norte-americanas.

    A Marinha chinesa está se fortalecendo e já recebeu diversos equipamentos novos, como porta-aviões e caças J-15, que estão sendo fabricados em massa em solo chinês, um destróier da classe Type 055, um submarino nuclear e uma aeronave de patrulha submarina.

    Os submarinos da classe Type 094 de segunda geração tem aproximadamente 137 metros de comprimento e são equipados com 12 tubos de mísseis, sendo que cada um deles é capaz de disparar o JL-2 (míssil balístico), que transporta de uma a três ogivas nucleares e que tem um alcance de até 7.200 quilômetros.

    O JL-2 é um míssil balístico lançado por submarinos de segunda geração chineses, implantados nos submarinos da classe Type 094 da Marinha do Exército Popular de Libertação da China, segundo o portal Defence Aviation Post.

    Submarino nuclear da China (imagem de arquivo)
    © AFP 2020 /
    Submarino nuclear da China (imagem de arquivo)

    De acordo com o relatório anual de 2019 do Departamento de Defesa dos EUA sobre as capacidades chinesas, o gigante asiático teria construído seis submarinos nucleares da classe Type 094 com quatro deles operacionais e dois no estaleiro Huludao.

    Além dos submarinos da classe Type 094, o gigante asiático também estaria desenvolvendo embarcações de próxima geração, submarinos da classe Type 096, que poderão transportar 24 mísseis JL-3, com alcance estimado em mais de 10 mil quilômetros.

    Mais:

    Marinha dos EUA lança míssil em meio a tensões com Pequim no mar do Sul da China (FOTOS)
    Corte de verbas na Marinha dos EUA poderia resultar na supremacia naval da China
    Marinha da China pode se tornar uma das maiores do mundo em 10 anos
    Tags:
    China, força naval, Marinha, arma nuclear, nuclear, submarinos, submarino
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar