06:50 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    351
    Nos siga no

    Lockheed Martin recebeu investimento milionário da Força Aérea americana destinado à modernização do avião espião U-2, o que indicaria que seu serviço será prolongado.

    Até o momento, a instituição militar americana alocou US$ 50 milhões (cerca de R$ 250 milhões) a um extenso programa de modernização dos U-2.

    Conforme publicou a revista Aviation Week, o programa será financiado até ao ano fiscal de 2025 e faz parte da tentativa dos EUA de renovar e aumentar o papel estratégico e tático de sua plataforma de inteligência, vigilância e reconhecimento (ISR, na sigla em inglês).

    A modernização sinalizaria que a Força Aérea americana não pretende substituir sua frota de U-2, lendário símbolo ainda da Guerra Fria, pelos drones RQ-4 Global Hawk.

    Aumento do tempo de serviço

    Apesar da necessidade de modernização, as aeronaves ainda estão longe do tempo limite de sua exploração.

    "A maioria desses jatos foram construídos no final dos anos 80 e nos anos 90 e só tiveram em média 17 mil horas de voo, ou seja, [eles] têm ainda 80% de vida útil e muito a dar", disse à mídia Irene Helley, diretora do programa do U-2 da Lockheed Martin Skunk Works.

    Os aviônicos da família dos U-2 serão atualizados, algo que não acontece desde a virada do milênio.

    Desta forma, os aviônicos modernizados serviriam como espinha dorsal das capacidades aprimoradas para cumprir as missões.

    A atualização também se faz necessária devido à redução do número de empresas que podem fornecer peças mais antigas.

    Novo computador

    Um dos elementos chave da atualização é o novo computador de missão, o Enterprise Mission Computer 2 (EMC2, na sigla em inglês), o qual permitirá que a aeronave se integre em novos níveis de segurança com outros sistemas pelo ar, espaço, mar, terra e espaço cibernético.

    Telas sensíveis ao toque com grande resolução serão instaladas para que os pilotos possam ter maior visibilidade do espaço físico em que se encontram.

    "Elas vão ter uma resolução por pixel maior, assim como serão sensíveis ao toque. Nós também pretendemos atualizar outros sistemas do cockpit para torná-los de acordo com padrões mais modernos", declarou Sean Thatcher, gerente do programa de modernização do U-2.

    Também o EMC2 permitirá maior comunicação entre os U-2 e outras aeronaves da Força Aérea dos EUA.

    Mais:

    Força Aérea dos EUA planeja munir bombardeiro B-1B com mísseis hipersônicos
    Revista norte-americana avalia bombardeiro estratégico russo T-160
    Bombardeiros dos EUA entram na nova década em baixa histórica
    Tags:
    Força Aérea dos EUA, Pentágono, modernização, U-2, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar