20:37 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    446
    Nos siga no

    Polônia analisará a necessidade de comprar caças furtivos F-35 dos EUA devido à crise econômica emergente causada pelo surto da pandemia do novo coronavírus, declarou o ministro do Patrimônio Estatal da Polônia, Jacek Sasin.

    "Neste momento, não foi tomada nenhuma decisão de recusa da compra [de caças F-35]. Veremos. Ainda hoje não sabemos muitas coisas. Hoje sabemos que haverá uma crise, mas desconhecemos quão grave será e quanto tempo vai durar", afirmou Sasin à rádio RMF FM.

    "Nós vamos provavelmente analisar estas aquisições [...] Neste momento, eu não posso dizer, como vai ser definitivamente, porque não foi tomada uma decisão", acrescentou o ministro polonês.

    Em janeiro de 2020, a Polônia assinou um contrato de compra de 32 caças norte-americanos F-35 avaliados em cerca de US$ 4,6 bilhões (R$ 24,2 bilhões), segundo militares poloneses.

    Além dos caças, entram no contrato pacotes logísticos de treinamento que incluem oito simuladores, peças de reposição, um sistema de gerenciamento de aeronaves e equipamento necessário para manutenção.

    Mesmo o preço final já sendo elevado, trata-se de um resultado positivo para a Polônia, que conseguiu baixar o preço através de negociações com o lado norte-americano, visto que inicialmente a compra ultrapassava os US$ 6,5 bilhões (R$ 34,1 bilhões).

    Militares poloneses acreditam que a aquisição dos novos caças irá reforçar as capacidades dos 48 aviões F-16 que já operam na Força Aérea da Polônia. Além disso, o país tem cerca de 27 MiG-29 e Su-22 da era soviética.

    Mais:

    'Cabo de guerra': Pentágono e Lockheed Martin reclamam acesso a sistema do caça F-35
    EUA e Israel realizam manobras aéreas com caças F-35 em meio à COVID-19 (FOTOS)
    Falta de pessoal qualificado pode deixar novos F-35 noruegueses em terra
    Tags:
    avião mlitar, novo coronavírus, EUA, Polônia, caças de quinta geração, F-35
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar