22:23 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    Coronavírus se espalha pelo mundo (498)
    2140
    Nos siga no

    A decisão dos EUA de prosseguir com os exercícios militares Defensor da Europa 2020 (Defender Europe 2020), mesmo durante a propagação do novo coronavírus, mostra que, para evitar dar sinal de fraqueza, Washington está preparada para colocar a saúde pública em risco.

    Os planos para a edição de 2020 dos exercícios militares Defensor da Europa 2020 previam a movimentação de 20.000 militares norte-americanos, o maior envio de efetivos dos EUA para o velho continente dos últimos 25 anos.

    No entanto, os planos foram prejudicados pela pandemia do novo coronavírus, que já infectou mais de 245 mil pessoas ao redor do mundo e fez 10 mil vítimas fatais.

    No dia 13 de março, as transferências de militares dos EUA para a Europa foram interrompidas. Nesta segunda-feira (16), o comandante militar dos EUA na Europa informou que os exercícios seriam "reduzidos em escala e escopo".

    Até esta quarta-feira (18), o Pentágono já havia confirmado 80 casos de coronavírus em suas fileiras, incluindo 49 militares em serviço ativo. Casos também teriam sido detectados entre funcionários da OTAN em Bruxelas.

    Ameaça para a saúde

    Pat Elder, membro do grupo Mundo Além da Guerra (World Beyond War, em inglês), acredita que os EUA nunca iriam cancelar a realização de exercícios militares desta monta para não "admitir a derrota".

    "Os propagandistas que estão por trás da postura belicista irracional do Exército [dos EUA] nunca 'cancelariam' completamente os exercícios. Isso poderia demonstrar fraqueza", disse.

    Elder acredita que essa decisão de Washington irá colocar em risco a saúde daqueles que irão participar das manobras em função da propagação do coronavírus.

    Soldados durante exercícios da OTAN
    © AP Photo / Alik Keplicz
    Soldados durante exercícios da OTAN

    "Os EUA estão levando a ideia de 'dissuasão' a um limite absurdo. E fazem isso [...] para justificar seus crescentes gastos militares", disse.

    A ex-agente especial do FBI e ativista do grupo Mulheres Contra a Loucura Belicista (Women Against Military Madness, em inglês) Coleen Rowley lembra que os exercícios previstos para decorrer no Ártico e na Coreia do Sul foram cancelados e o mesmo deveria ser feito com o Defensor da Europa 2020.

    "A pandemia é terrível, mas serve para nos dar uma lição sobre como a guerra é estúpida, uma vez que nenhum arsenal militar, ou mesmo nuclear, consegue combater essa ameaça microscópica" representada pelo novo coronavírus, argumentou Rowley.

    Ela nota que os EUA não estão se mostrando capazes de combater a COVID-19 em território nacional, mas seguem com os planos de mobilizar militares para exercícios no exterior.

    Agressão contra Rússia

    Os exercícios Defensor da Europa 2020 não passam de uma "ação agressiva" contra a Rússia, acredita o copresidente do Bureau pela Paz Internacional, Reiner Braun.

    "Eu acredito que o que a OTAN está fazendo com os Defensor da Europa 2020 é uma ação agressiva contra a Rússia. Eles não querem iniciar uma guerra amanhã, mas estão se preparando para a guerra. De outra forma não seria necessário fazer um exercício desses na fronteira russa", disse.

    Braun lembra que a fase ativa dos exercícios foi marcada para coincidir com as comemorações, na Rússia, do aniversário dos 75 anos da vitória na Segunda Guerra Mundial.

    Soldados russos durante parada militar, na Praça Vermelha, no dia 7 de novembro. Vladimir Putin garantiu que a Rússia seguirá atenta à modernização de suas forças armadas
    © Sputnik / Alexander Zemlianichenko
    Soldados russos durante parada militar, na Praça Vermelha, no dia 7 de novembro. Vladimir Putin garantiu que a Rússia seguirá atenta à modernização de suas forças armadas

    "A grande provocação é que eles vão fazer isso em maio, bem quando a Rússia, seguindo a tradição soviética, celebra os 75 anos do aniversário da libertação da Europa. É totalmente inaceitável realizar essas manobras neste período", disse Braun.

    Observadores russos

    No início de março, o ministro da Defesa da Polônia emitiu um comunicado no qual informou que a Rússia poderia observar parte dos exercícios realizados na Polônia.

    Braun acredita que observadores russos seriam admitidos nos exercícios, mas que eles só poderiam assistir a uma parte reduzida das atividades.

    "Eles somente mostram algumas áreas nas quais nada está acontecendo. Eles não mostram os movimentos internos e desdobramento dos exércitos", disse.

    O Ministério da Defesa da Polônia ainda não confirmou se, mesmo após o início da pandemia de coronavírus, a Rússia poderá acompanhar os exercícios militares.

    Tema:
    Coronavírus se espalha pelo mundo (498)

    Mais:

    OTAN em uma fria: Noruega cancela exercícios no Ártico por ameaça de coronavírus
    Fonte militar explica 'interferência russa' contra espionagem da OTAN na Crimeia
    Maior do que 'ameaça russa', COVID-19 faz EUA se retirarem de exercício da OTAN na Europa
    Tags:
    novo coronavírus, EUA, OTAN, Europa, defender
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar