22:12 09 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    8443
    Nos siga no

    Os aviões de combate de quarta geração formam a base das frotas aéreas de quase todos os países, muitos deles tendo pouca diferença em poder de fogo em relação aos de quinta geração.

    A revista Military Watch estabeleceu sua própria classificação dos mais eficazes caças do mundo das gerações 4+ e 4++.

    A publicação ressalvou que a lista não incluiu aeronaves ainda em fase experimental ou obsoletas.

    MiG-31BSM da Rússia

    Na primeira posição surge o russo MiG-31BSM, cujo principal atributo consiste em interceptar aeronaves inimigas a longas distâncias e altitudes extremas, podendo seguir simultaneamente até 24 alvos e destruí-los a uma distância de até 400 quilômetros.

    Este caça é equipado com mísseis ar-ar R-37, que têm sensivelmente o triplo de carga padrão, sendo virtualmente impossível evitá-lo.

    Caças MiG-31 com mísseis hipersônicos Kinzhal
    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Caças MiG-31 com mísseis hipersônicos Kinzhal

    O MiG-31BSM é considerado o mais rápido de todos os aviões a jato de combate do mundo e um dos mais potentes. Sua menor capacidade de manobra e de furtividade, quando comparado com o F-22 Raptor, é compensada pelo radar de grande raio de ação e pela carga útil, escreve a revista.

    Su-35 da Rússia

    Na segunda posição da lista surge o Su-35, o primeiro caça produzido em massa após o colapso da URSS, que é dotado de uma vasta gama de tecnologias avançadas, como o radar Irbis-E, que detecta alvos convencionais até 400 km e furtivos até 80 km, novo armamento e alta manobrabilidade, tudo ao nível de um caça ocidental da quinta geração.

    J-16 da China

    Em terceiro lugar é apresentado o caça chinês J-16, construído com base no Su-27, formando parte de uma nova geração de caças chineses. O caça está equipado com um radar moderno, revestimento furtivo e mísseis ar-ar PL-15, que o tornam altamente eficaz.

    O J-16 é uma das três aeronaves mais modernas da nova geração de caças chineses, apresentando várias vantagens sobre o F-15E dos EUA e o F-15J japonês, incluindo um novo míssil capaz de destruir alvos com alcance de até 400 quilômetros, refere a publicação.

    F-15SA dos EUA

    Na quarta posição surge o caça F-15SA, ao serviço da Arábia Saudita, construído com base no F-15E Strike Eagle norte-americano e que pode transportar até 12 mísseis ar-ar AIM-120C, estando equipado com um radar de ponta e sistemas avançados de busca e seguimento de alvos.

    Su-27SM3 da Rússia

    Encerra a lista o caça russo Su-27SM3, versão melhorada do homólogo de geração 4+ e que utiliza muita da tecnologia desenvolvida para o Su-35, incluindo o radar Irbis-E e sistemas avançados de guerra eletrônica.

    Armado com 12 mísseis ar-ar, seus sistemas de controlo de voo e de armamento foram completamente substituídos por sistemas eletrônicos. Em termos de manobrabilidade ele é ligeiramente inferior ao Su-35, devido a seus motores, mas suas capacidades de combate são em grande medida semelhantes.

    Caças polivalentes Su-27 durante voos de demonstração no Dia das Portas Abertas do regimento aéreo do Distrito Militar do Sul em comemoração do 105º aniversário da Força Aeroespacial da Rússia
    © Sputnik / Vitaliy Timkiv
    Caças polivalentes Su-27 durante voos de demonstração no Dia das Portas Abertas do regimento aéreo do Distrito Militar do Sul em comemoração do 105º aniversário da Força Aeroespacial da Rússia

    Prevê-se que os caças de quarta geração continuem a desempenhar um papel fundamental na aviação militar porque os caças da geração seguinte ainda estão longe de entrar completamente ao serviço.

    Segundo concluiu a revista, a Rússia assume uma posição de liderança no desenvolvimento de aeronaves da geração 4++.

    Mais:

    'Cabo de guerra': Pentágono e Lockheed Martin reclamam acesso a sistema do caça F-35
    China produz imitações infláveis de armamento russo pouco fiéis a originais (FOTOS)
    Japão irá desenvolver armas hipersônicas
    Tags:
    caças, EUA, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar