19:58 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    62611
    Nos siga no

    O Ministério da Defesa do Japão apresentou plano para desenvolver armas hipersônicas. Os trabalhos serão focados em duas áreas prioritárias: desenvolvimento de um míssil de cruzeiro hipersônico e de projétil de deslizamento de velocidade hipersônica (HVGP, na sigla em inglês).

    De acordo com o cronograma do plano japonês, as armas devem ser colocadas à disposição das Forças de Autodefesa do país a partir de 2030.

    Para fornecer apoio aos novos sistemas hipersônicos, o Japão planeja instalar uma rede com sete satélites, desenvolvidos especialmente para o programa.

    De acordo com o especialista militar Aleksei Leonkov, o plano japonês para desenvolvimento de armas hipersônicas se assemelha bastante ao norte-americano.

    "Tóquio nunca se destacou no desenvolvimento deste tipo de armamento. O cronograma [do programa] está sincronizados com o de Washington. Os especialistas não excluem que Tóquio possa cooperar com Washington para um desenvolvimento mais eficaz de armas hipersônicas", disse o especialista.

    Leonkov lembrou que os EUA adotaram um método semelhante para desenvolver o projeto dos caças F-35, conforme reportou a RT.

    Conter a China

    O documento publicado pelo Ministério da Defesa japonês aponta a necessidade de "defesa das ilhas longínquas do Japão de um eventual ataque" como um dos principais objetivos do projeto.

    Mas a mídia local apontou que a principal preocupação de Tóquio é com as manobras realizadas pela Marinha chinesa na região das ilhas contestadas de Senkaku/Diaoyu.

    Especialistas apontam que os mísseis hipersônicos japoneses terão como objetivo principal atingir embarcações a grandes distâncias, principalmente porta-aviões.

    Ogiva hipersônica, imagem ilustrativa
    © CC0
    Ogiva hipersônica, imagem ilustrativa

    Lembramos que, em 2012, a Marinha chinesa comissionou o seu porta-aviões Liaoning. Em 2019, a China começou a operar outro porta-aviões, o Shandong, construído inteiramente em instalações chinesas.

    O desenvolvimento de armas hipersônicas daria a Tóquio a capacidade de atacar essas embarcações sem ter que mobilizar a sua Marinha ou Força Aérea na região contestada.

    Atualmente Tóquio possui somente mísseis com alcance de cerca de 100 km, enquanto as ilhas contestadas ficam a cerca de 430 km da costa japonesa.

    A China já realiza testes de mísseis hipersônicos terra-terra. Os chamados DF-17 foram apresentados ao público pela primeira vez em outubro de 2019, durante as comemorações dos 70 anos da revolução chinesa.

    Mais:

    Godzilla: Defesa do Japão revela conceito do caça de última geração F-X (FOTO)
    EUA iniciam desenvolvimento de tecnologias para interceptar armas hipersônicas
    Caça da Marinha dos EUA perde tampa de reabastecimento durante treinamento no Japão
    Tags:
    EUA, China, armas hipersônicas, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar