22:11 07 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    14532
    Nos siga no

    Marinha russa coloca em serviço boias hidroacústicas de interferência que permitem aos submarinos escapar à detecção por adversários.

    A Marinha russa recebeu proteção contra aviões e drones antissubmarino: boias especiais Burak-M, que podem "esconder" uma certa área do oceano. A comunicação em quase todos os canais será perturbada ou dificultada o mais possível pelo novo equipamento.

    O sistema é destinado aos submarinos estratégicos de mísseis dos projetos Borei e Delfin, bem como os submarinos a diesel, e está sendo testado em embarcações da Marinha russa, segundo o Ministério da Defesa.

    Características das boias

    O Burak-M é um sistema de guerra eletrônica. É disparado primeiro do submarino para a superfície do mar, onde a interferência é ativada e começa bloqueando o sinal. Isto permite a supressão fiável de todos os canais de comunicação das estações hidroacústicas de detecção submarina, que acionam o envio de helicópteros antissubmarino e aeronaves inimigas.

    A ruptura do canal de rádio entre a aeronave e a estação torna inútil a busca de submarinos com tais sistemas hidroacústicos, e permite escapar à perseguição.

    A prioridade das novas boias é assegurar a operação encoberta dos submarinos estratégicos de mísseis dos projetos Delfin e Borei, que são a base da componente marítima das forças nucleares estratégicas russas.

    O Burak-M também será útil para os submarinos diesel-elétricos dos projetos Varshavianka e Lada. Estes submarinos são projetados para destruir navios e embarcações de superfície, submarinos inimigos, vigilância, reconhecimento e proteção de comunicações na área marítima próxima.

    Mais:

    Almirante russo comenta emersão de submarino dos EUA através do gelo
    Marinha da Rússia irá receber 5 submarinos em 2020, afirma ministro da Defesa
    É como submarinos russos enganam marinheiros da OTAN
    Tags:
    Lada, Borei, Marinha da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar