23:41 11 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    20376
    Nos siga no

    O almirante da Marinha norte-americana Charles Richard admitiu que as defesas aéreas norte-americanas não foram projetadas para combater as modernas armas hipersônicas, como as desenvolvidas pela Rússia e China.

    A declaração do almirante foi feita durante uma audiência no Subcomitê de Forças Estratégicas da Câmara dos Deputados dos EUA, onde foram discutidos os planos norte-americanos de modernizar as suas armas.

    O almirante também ressaltou que o Pentágono ainda enfrenta problemas para determinar as capacidades das modernas armas da Rússia e China, embora conheça o perigo que essas armas representam.

    "Isso não significa que não somos capazes de caracterizar a ameaça a esta nação. O tamanho de uma só incursão começa a nos dar informações sobre o que eles podem ser capazes de fazer. Não temos é a capacidade de caracterizar a carga em nenhum sistema de armas de entrada para os EUA, hipersônicos ou não", disse ele.

    O almirante também reconheceu que os sistemas de defesa dos EUA não foram projetados para conter as atuais capacidades balísticas da Rússia e da China, além disso, ele ressaltou que isso seria "tecnicamente inviável" devido aos altos custos dessas defesas.

    Ele explicou que os EUA dependem da estabilidade estratégica garantida pela capacidade de Washington de "impor custos [pesados]" a qualquer nação que possa tentar atacar os EUA, usando o seu próprio arsenal estratégico.

    Mais:

    Paquistão testa míssil balístico superfície-superfície capaz de levar ogivas nucleares (VÍDEO)
    Do R-7 ao Yars: confira como se tornaram mais leves os mísseis balísticos
    Irã prepara lançamento de satélite, mas EUA suspeitam se tratar de mísseis balísticos
    Tags:
    China, Rússia, Marinha, programa de mísseis balísticos, mísseis balísticos, míssil balístico, mísseis, defesa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar