08:43 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    212
    Nos siga no

    Um alto funcionário dos serviços secretos da Austrália advertiu que mesmo os professores universitários e empresários locais são vulneráveis a ameaças de interferência e espionagem estrangeiras.

    Ontem (24) Mike Burgess, diretor-geral da Organização Australiana de Inteligência e Segurança (ASIO, na sigla em inglês) expressou alarme em relação a um aumento "sem precedentes" de ameaças de espionagem estrangeiras e interferências por diversos países, que tentam influenciar legisladores, funcionários do governo, figuras públicas, importantes empresários e acadêmicos.

    "O nível de ameaça de espionagem estrangeira e de atividades de interferência que atualmente enfrentamos é sem precedentes", disse Burgess no encontro anual de avaliação de risco de ameaças da ASIO. "É mais alto agora do que era no auge da Guerra Fria", alertou.

    Embora o alto funcionário, ao que se sabe, não tivesse mencionado nenhum país em particular, especialistas assumem que o dedo estava sendo apontado à China.

    "É bastante razoável supor que a China era o país em causa", disse Rory Medcalf, chefe da Escola Nacional de Segurança da Universidade Nacional da Austrália.

    A China, que é o maior parceiro comercial da Austrália e também o maior comprador de seu minério de ferro, carvão e produtos agrícolas, negou as acusações.

    O ministro do Interior australiano, Peter Dutton, foi mais específico: "Não me interessa de que país estamos falando, seja da China, Rússia ou Irã – se as pessoas representarem uma ameaça ao nosso país, serão tratadas de acordo com o nível desta ameaça", comentou o ministro, citado pela Reuters.

    Em setembro de 2019 as agências de inteligência australianas descobriram que a China foi responsável por um ataque cibernético ao Parlamento do país e a três maiores partidos políticos, poucos meses antes das eleições gerais que tiveram lugar em maio daquele ano. Segundo a agência Reuters, o Governo australiano encobriu a identidade dos agressores para proteger as suas relações comerciais com Pequim.

    Mais:

    'Império de hackers': China reage à divulgação de operação de espionagem global dos EUA
    Documentos desclassificados da CIA revelam fiasco de projeto de espionagem único
    Tags:
    Irã, Rússia, interferência estrangeira, Austrália, China, Guerra Fria, serviços secretos, espionagem
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar