07:03 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    432
    Nos siga no

    O Pentágono declarou ter adotado oficialmente princípios éticos para acelerar o uso de inteligência artificial (IA) em campo de batalha.

    O secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, aprovou os princípios recomendados pelo Conselho de Inovação da Defesa (DIB), uma organização consultiva do Pentágono.

    O conselho, composto em grande parte por executivos de tecnologia do setor privado, passou mais de um ano coletando o feedback de uma ampla gama de indústrias, academias e do público em geral antes de elaborar as recomendações no final de outubro.

    A possibilidade de que a própria inteligência artificial seja capaz de formular e executar missões de combate em um futuro próximo levou a um debate intenso e a críticas aos militares, tanto nos EUA como no estrangeiro.

    "Os EUA, juntamente com nossos aliados e parceiros, devem acelerar a adoção da IA e liderar suas aplicações para fins de segurança nacional, a fim de manter nossa posição estratégica, prevalecer em futuros campos de batalha e defender a ordem internacional baseada em regras", afirmou Esper, acrescentando que a tecnologia não deve afetar o comportamento "responsável e legítimo" do país.

    Princípios para IA

    Agora o Pentágono seguirá cinco princípios básicos para o uso da inteligência artificial. Esta deve ser "responsável, proporcional, rastreável, confiável e controlável".

    O princípio da responsabilidade implica os devidos níveis de senso comum e prudência na concepção de veículos de combate. Proporcionalidade é entendida pelo Pentágono como medidas necessárias para minimizar o viés inadvertido em veículos de combate.

    Sob uma inteligência artificial rastreável, os militares terão a tecnologia e as capacidades operacionais de que necessitam para garantir a transparência dos procedimentos e da documentação.

    A inteligência artificial deve se tornar confiável se lhe forem dadas "funções bem definidas", e se for constantemente testada durante o desenvolvimento e operação.

    Inteligência artificial (IA)
    © CC0
    Inteligência artificial (IA)

    O Exército dos EUA chamou de controlável o princípio em que operadores humanos ainda serão, em qualquer caso, capazes de desativar veículos de combate que "demonstrem comportamento não planejado".

    Os princípios de aplicação da inteligência artificial são desenvolvidos pelo centro de especialistas do Pentágono, que, além dos militares e autoridades, integra as opiniões de especialistas técnicos.

    Mais:

    Pentágono lança guia para uso ético de inteligência artificial no setor militar
    Marinha dos EUA quer criar navios com inteligência artificial que possam 'falar' como humanos
    Robôs são maior ameaça à humanidade que mudança climática, segundo especialista
    Tags:
    Exército dos EUA, ética, Pentágono, inteligência artificial
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar