23:30 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3230
    Nos siga no

    A edição americana National Interest chamou a munição russa de 12,7x55 milímetros uma das "mais incomuns entre as que estão em uso ativo", devido à sua capacidade de ataque "extremamente poderosa".

    "Uma estrutura maciça, mas curta, é ideal para disparar balas pesadas em baixas velocidades, o que a torna útil para uma variedade de finalidades especiais", lê-se na publicação.

    Segundo a revista, os cartuchos de 12,7x55 milímetros podem atingir o inimigo com um colete à prova de balas moderno, resistente a munições de 9x39 milímetros. Regra geral, os cartuchos de 12,7x55 milímetros são usados em espingardas de grande calibre VSK e fuzis de assalto SHAK-12.

    "A espingarda 6S8 VSK/VSSK tem uma câmera de 12.7x55 milímetros e foi desenvolvida para eliminar alvos com blindagens mais fortes que não podem ser penetradas de forma confiável pelas munições menores de 9x39 milímetros."

    A edição referiu igualmente o fuzil russo de grande calibre SHAK-12, que também pode ser usado com estas munições.

    A publicação lembrou as características ergonômicas desta arma de assalto, que a distinguem das armas de fogo tradicionais soviéticas e russas.

    Em novembro passado, em uma publicação semelhante, a NI elogiou a nova versão do SHAK-12, qualificando a arma como o "terror em campo de batalha".

    AK-15 and AK-12
    © Sputnik / Vasily Raksha
    AK-15 and AK-12

    O seu cartucho de calibre 12,7×55 mm é capaz de neutralizar instantaneamente os alvos, evitando assim combates prolongados. Isto proporciona uma flexibilidade excepcional na resolução de tarefas táticas a distâncias curtas e ultracurtas.

    Mais:

    Terror em campo de batalha: revista americana avalia novo fuzil russo
    Kalashnikov nomeia deficiências de fuzil americano em comparação com AK
    Novo fuzil AK-12 terá versão com calibre padrão OTAN
    Tags:
    munição, The National Interest, Rússia, armas russas, AK-12
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar