02:41 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    8319
    Nos siga no

    O presidente americano Donald Trump disse que, na ausência de tratados de controle de armas com Rússia e China, os EUA criarão a força nuclear mais forte do mundo.

    "Agora, ao mesmo tempo, Rússia e China querem ambas negociar conosco para acabar com essa loucura de gastar bilhões e bilhões de dólares em armas nucleares", disse Trump na segunda-feira (10) em uma sessão de negócios da Casa Branca com os governadores.

    "Mas a única maneira, até termos esse acordo - a única coisa que posso fazer é criar, de longe, a força nuclear mais forte do mundo, que, como sabem, nos últimos três anos, modernizamos muito nossa capacidade nuclear", complementou.

    Os EUA têm uma grande quantidade de "mísseis super-rápidos", e o país precisa deles porque tanto Moscou quanto Pequim possuem armas semelhantes, destacou Trump.

    "Temos mísseis super-rápidos - um número tremendo de mísseis super-rápidos. Chamamos eles 'super-rápidos', onde são quatro, cinco, seis, e até sete vezes mais rápidos que um míssil comum", observou Trump.

    "Nós precisamos disso porque, mais uma vez, a Rússia tem alguns. Não direi como eles [russos] conseguiram isso. Eles conseguiram, supostamente, a partir de planos da administração Obama quando não estávamos fazendo isso. E isso é muito ruim. Isso não é bom. Mas foi assim que aconteceu. E a China, como sabe, está fazendo isso", comentou.

    Na segunda feira (10), o secretário de Energia dos EUA, Dan Brouillette, afirmou que o orçamento de Trump de US$ 35,4 bilhões (R$ 153 bilhões) para 2021 mostra que os Estados Unidos levam a sério a atualização do arsenal nuclear do país.

    Acordos nucleares

    A declaração do presidente americano vem um ano depois de Washington ter decidido se retirar do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), de 1987, com a Rússia e ter começado a testar novos mísseis que operam em alcances anteriormente proibidos.

    O Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START III) expira no início de 2021 e os EUA ainda não determinaram se pretendem renová-lo.

    Donald Trump durante conferência de imprensa no 50º Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, em 22 de janeiro de 2020
    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Donald Trump durante conferência de imprensa no 50º Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, em 22 de janeiro de 2020

    Washington declarou anteriormente que os acordos com Moscou devem incluir não só as armas que estão sujeitas ao START III, mas também outras armas e veículos de lançamento que ainda estão em desenvolvimento na Rússia, incluindo dispositivos nucleares de baixa potência em novos veículos de lançamento.

    Em dezembro de 2019, o presidente russo Vladimir Putin disse estava pronto para estender o START III até o final do ano, mas até o momento não obteve resposta do lado americano.

    Mais:

    Orçamento dos EUA para 2021 mostra Trump focado em arsenal nuclear, diz secretário
    Marinha dos EUA tenciona armar submarinos nucleares com canhões de laser, revela mídia
    Mais gastos com defesa, menos gastos sociais: Trump propõe orçamento de US$ 4,8 trilhões para 2021
    Tags:
    START III, INF, armas nucleares, EUA, China, Rússia, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar