02:07 31 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    313
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores da Alemanha defendeu nesta segunda-feira (27) que caso algum país viole o embargo da ONU e exporte armas para a Líbia, deverá haver algum tipo de punição. 

    Heiko Maas disse que ainda é necessário muito trabalho para colocar em prática as decisões tomadas em uma recente reunião de alto nível sobre a Líbia, informa a agência de notícias Associated Press.

    As potências mundiais e outros países com interesses na longa guerra civil da Líbia concordaram em reunião no dia 19 de janeiro em Berlim em respeitar o embargo de armas da ONU, suspender o apoio militar às partes em guerra e pressioná-las a alcançar um cessar-fogo completo.

    Falando após uma reunião com o chefe de relações exteriores da União Europeia, Josep Borrell, Maas reconheceu que há "desenvolvimentos que são contrários'' aos objetivos da reunião de Berlim, sem dar detalhes.

    Maas também disse que é importante apoiar a trégua frágil que existe na Líbia, apoiando o que foi acordado em Berlim e também uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que prevê sanções para o país que quebrar o embargo de venda de armas à Líbia. 

    Ele disse que deve ficar claro que quebrar o embargo "não permanecerá sem consequências".

    Mais:

    Parlamento do Leste da Líbia 'não irá ceder' e aceitar forças da Turquia no país, diz porta-voz
    Merkel diz esperar que conferência em Berlim garanta cessar-fogo na Líbia
    Haftar teria recusado assinar acordo de armistício na Líbia durante conferência em Berlim
    Resultados da reunião sobre Líbia em Berlim: pode se esperar uma trégua se nada foi assinado?
    Tags:
    embargo, Líbia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar