06:48 14 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    61026
    Nos siga no

    Os novos drones estratégicos Global Hawk da OTAN serão capazes de acompanhar o que está acontecendo na Rússia, escreve a edição norueguesa Verdens Gang.

    "Eles sobrevoarão o território da OTAN. Mas eles também poderão registrar o que está acontecendo em nossos países vizinhos e permitirão compreender muito melhor o que está acontecendo do outro lado da fronteira", disse o secretário-geral da aliança militar, Jens Stoltenberg, em uma entrevista à mídia.

    A nova versão do Global Hawk americano poderá permanecer no ar por 30 horas sem reabastecimento, informa a mídia.

    Os sensores e radares do drone, segundo o jornal, serão capazes de captar tudo o que acontece em um raio de 200 quilômetros a partir de 18 quilômetros de altitude.

    Stoltenberg assegura que esses aviões autônomos dão à OTAN uma vantagem única que a Rússia e a China não têm.

    Voos de reconhecimento

    No total, a aliança militar adquiriu dez Global Hawk, sendo que dois estão atualmente sendo testados na ilha italiana da Sicília e mais três serão entregues na Itália em um ano.

    Drones de países da OTAN efetuam regularmente reconhecimento perto das fronteiras russas, sendo frequentemente avistados nas regiões da Crimeia e Krasnodar, por cima do mar Báltico e perto das bases russas na Síria.

    Drone estratégico americano RQ-4B-40 Global Hawk
    © flickr.com / Dysanovic
    Drone estratégico americano RQ-4B-40 Global Hawk

    O Ministério da Defesa da Rússia tem apelado repetidamente aos EUA para interromperem essas operações de reconhecimento, mas o Pentágono se recusa a fazê-lo.

    Mais:

    Drone estratégico dos EUA realiza voo de reconhecimento perto das fronteiras da Rússia
    Drone espião dos EUA conduz operação próximo à Crimeia
    Drone espião da Força Aérea dos EUA faz voo de reconhecimento perto da Crimeia
    Tags:
    fronteiras russas, Jens Stoltenberg, RQ-4 Global Hawk, Rússia, OTAN, drones
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar