15:24 18 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    21426
    Nos siga no

    Forças Armadas americanas planejam enviar para o Pacífico uma força-tarefa capaz de recolher informações e realizar ataques com mísseis e cibernéticos contra a China, segundo a Bloomberg.

    A unidade militar seria um grupo operativo especializado em diferentes missões, incluindo ataques contra alvos marítimos e terrestres utilizando mísseis de grande precisão e alcance, tais como hipersônicos, podendo desta forma abrir caminho para navios da Marinha americana em caso de conflito armado.

    Conforme publicou a Bloomberg, mais informações sobre tal grupo deverão ser concedidas pelo secretário do Exército americano, Ryan McCarthy, ainda hoje (10).

    Contudo, já é sabido que o reforço tem como propósito neutralizar algumas capacidades da Rússia e China que podem manter os grupos de porta-aviões dos EUA longe da costa asiática do Pacífico.

    "[A medida foi elaborada para] neutralizar todos os investimentos que a China e a Rússia fizeram", disse McCarthy, conforme publicado pelo portal The Economic Times.

    Além disso, os militares americanos pretendem fechar um novo acordo com o Escritório Nacional de Reconhecimento (NRO, na sigla em inglês), órgão responsável por desenvolver e gerenciar os satélites espiões americanos, para melhor obter informações de satélites de baixa órbita existentes e futuros.

    Novo paradigma na Ásia

    Ainda de acordo com a mídia, a articulação auxiliaria o secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper, de deslocar um maior número de tropas presentes na Europa, Oriente Médio e África para a região do Pacífico.

    Também McCarthy crê que tal movimento criará um novo paradigma para os EUA na Ásia, usando unidades terrestres para "abrir um buraco" nas defesas inimigas para os meios navais e aéreos americanos.

    As unidades deverão ser instaladas em ilhas no Pacífico, criando um suporte terrestre para a Marinha e a Força Aérea dos EUA.

    Contudo, tal estratégia vai de encontro à doutrina militar chinesa que tenta impedir o acesso de grupos de ataque de porta-aviões norte-americanos à costa asiática do Pacífico, em particular para além do território insular que se estende desde as Ilhas Curilas até a ilha de Bornéu, assim como do leste do Japão até a Nova Guiné passando por Guam.

    Para tanto, a doutrina chinesa se baseia em mísseis antinavio de grande alcance assim como satélites de observação.

    Preparativos

    Embora não se saiba quando tal grupo deverá ser empregado, segundo McCarthy alguns exercícios e simulações militares têm sido utilizados para avaliação de conceitos a ser aplicados na estratégia americana.

    Mais:

    China e Rússia condenam 'ação ilegítima' dos EUA no Oriente Médio
    Defesa da China: orçamento militar 'antichinês' dos EUA afeta relações entre Pequim e Washington
    Cúpula altamente radioativa dos EUA no Pacífico 'preocupa' autoridades do país
    Tags:
    Marinha dos EUA, navios, mísseis, Exército dos EUA, Forças Armadas, forças navais, EUA, Rússia, China, Pacífico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar