14:00 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    13472
    Nos siga no

    A revista norte-americana National Interest qualificou o radar biestático russo Struna-1 como ameaça significativa aos aviões furtivos da OTAN em um conflito futuro.

    "O Struna-1 é diferente da maioria dos radares por ser um radar biestático, o que significa que depende do receptor e do transmissor do radar para estar em duas localizações diferentes, ao contrário da tecnologia convencional de radar onde o receptor e o transmissor estão situados na mesma localização", explica a mídia.

    Essa capacidade garante uma melhor resistência às aeronaves equipadas com proteção antirradar.

    "Isso permite a detecção não só de aviões furtivos, mas também de outros objetos com baixa seção transversal de radar [RCS], tais como asas delta e mísseis de cruzeiro", lê-se na publicação.

    No total, o sistema pode incluir até dez pares de torres com receptores e transmissores a uma distância de 50 quilômetros entre si, sendo que o perímetro teórico máximo do sistema é de 500 quilômetros.

    Problema para inimigos

    Segundo a edição, o radar também é eficaz contra aviões voando em baixas altitudes, embora a maioria dos radares encontrem dificuldades nessas situações.

    Ao mesmo tempo, o limite de altitude de detecção é de sete quilômetros, o que é menor do que o dos radares tradicionais.

    A publicação destaca que os aviões de ataque inimigos são particularmente vulneráveis ao radar russo, que são forçados a operar dentro do sistema de radar.

    Caças norte-americanos F-35
    © AP Photo / Petros Karadjias
    Caças norte-americanos F-35

    Struna-1 tem uma série de imperfeições que não permitem a sua utilização como substituto do radar tradicional, mas em combinação com eles, pode causar muitos problemas ao inimigo, afirma o artigo.

    Mais:

    Capacidade de artilharia dos EUA é inferior à da Rússia, indica National Interest
    Rússia criará campo de radar sólido para proteção contra mísseis de cruzeiro
    Radares russos são capazes de detectar qualquer míssil balístico, afirma especialista
    Tags:
    OTAN, tecnologia furtiva, radar, The National Interest
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar