23:56 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    44993
    Nos siga no

    Almirante da Marinha Real britânica adverte que EUA necessitariam de milhões de homens em guerra contra o Irã, tal como os aliados precisaram para ocupar a Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

    "Se você quer uma guerra total com o Irã, você teria que declarar estado de guerra, convocar uns dois milhões de homens e o ocupar completamente, tal como fizemos com a Alemanha na Segunda Guerra Mundial", declarou o almirante Lord West ao tabloide Daily Star.

    Ressaltando os perigos da situação atual após o ataque de que resultou a morte do general iraniano Qassem Soleimani, o almirante acredita que Teerã "muito provavelmente" irá responder à ação americana.

    Ainda se dirigindo a políticos dos EUA que apoiam a ideia de uma guerra com o Irã, o britânico pediu que "tenham cuidado com o que vocês estão desejando".

    Ataques insuficientes

    Na ocasião de um conflito militar direto entre ambos os países, o almirante acredita que uma campanha de ação limitada não seria o suficiente para derrotar o país persa, ao passo que esperar por uma revolução no país não seria a melhor opção.

    "Se vocês estão confiando em uma revolução no Irã, vocês estão enganando a si mesmos", afirmou.

    A razão disso seria a insuficiência das operações que poderiam destruir a infraestrutura militar do país.

    "Nós poderíamos destruir todas as suas unidades navais, bases navais, bases aéreas e acabar com seus aviões – mas depois, o que você vai fazer?", indagou o militar.

    Apesar do ataque contra Soleimani, West acredita que os EUA não querem invadir o Irã, ao passo que ataques limitados poderiam aumentar o "desejo por vingança".

    Mais:

    Não tenho o poderio bélico para opinar, diz Bolsonaro sobre crise EUA-Irã
    Comandante iraniano: Tel Aviv e 35 alvos dos EUA no Oriente Médio estão ao alcance do Irã
    Irã promete se vingar dos EUA pela morte do general iraniano Soleimani
    Tags:
    Qassem Soleimani, guerra, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar