17:01 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    836
    Nos siga no

    O contrato tem valor superior a US$ 768 milhões (cerca de R$ 3 bilhões), dos quais cerca de 47% serão custeados com "venda não especificada de armamentos" a aliados dos norte-americanos.

    O Pentágono firmou um contrato com a empresa norte-americana Raytheon para a produção de mísseis ar-ar de médio alcance AIM-120 AMRAAM.

    De acordo com o Departamento de Defesa dos EUA, o contrato, avaliado em mais de US$ 768 milhões (cerca de R$ 3 bilhões), prevê a produção de mísseis AMRAAM, mísseis de treinamento aéreo, seções de orientação, sistema de telemetria AMRAAM, peças de reposição e hardware de suporte de engenharia de produção.

    "O trabalho será realizado em Tucson, no Arizona, com data prevista para conclusão em 28 de fevereiro de 2023", informa o site do Departamento de Defesa dos EUA.

    O Pentágono esclareceu que cerca de 47% serão custeados com a "venda não especificada de armamentos" a aliados dos EUA, incluindo a Polônia, Turquia, Arábia Saudita e Romênia.

    Funcionários da Força Aérea dos EUA carregam mísseis ar-ar AIM-120 para serem carregados em F/A-18 (foto de arquivo)
    © REUTERS / Força Aérea dos EUA
    Funcionários da Força Aérea dos EUA carregam mísseis ar-ar AIM-120 para serem carregados em F/A-18 (foto de arquivo)

    O AIM-120 AMRAAM é um míssil de alcance médio-longo, desenvolvido para atingir alvos aéreos além do horizonte. Os projéteis são utilizados pela Força Aérea dos EUA e outros países da OTAN, como Alemanha e Reino Unido.

    Os mísseis são os principais armamentos usados por aeronaves como os caças F-15 e F-16, assim como pelos caças F-22 de quinta geração.

    Mais:

    Caça F-16 derruba drone em 1º teste de novo sistema contra mísseis de cruzeiro (VÍDEO)
    Mísseis balísticos 'Satã' ainda seguem como peça-chave no xadrez estratégico da Rússia?
    Novíssimo sistema russo de mísseis hipersônicos Avangard entra em serviço
    Tags:
    gastos militares, EUA, Pentágono, mísseis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar