15:33 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7281
    Nos siga no

    A modernização de uma das armas de artilharia mais poderosas do mundo, o canhão Malka, está sendo testada com sucesso em um polígono e será concluída até o final de dezembro.

    A informação foi dada nesta terça-feira (17) por Dmitry Semizorov, diretor-geral da empresa Uraltransmash, que integra o consórcio Rostec.

    "Em dezembro deste ano, finalizaremos uma profunda reforma e modernização da arma: foi realizada a substituição e instalação de novos instrumentos complexos. No próximo ano vamos preparar a produção em série desses sistemas de artilharia", disse Semizorov.

    Segundo Semizorov, a caixa de câmbio, antes produzida na Ucrânia, foi substituída por outra, melhorada, de fabricação nacional, o mesmo acontecendo com o motor.

    "Colocamos componentes de fabrico nacional nos sistemas de aquisição de alvos e proteção do veículo. Agora o Malka modernizado está em campo e sendo testado com sucesso", acrescentou.

    Versão atualizada

    O 2S7M Malka é uma versão modernizada do canhão 2S7 Pion criado na década de 1980 e ainda considerado um dos canhões mais poderosos do mundo.

    O armamento é projetado para atacar importantes alvos inimigos localizados na profundidade das linhas de defesa inimigas.

    Obus autopropulsado 2S7M Malka (foto de arquivo)
    © Sputnik / Kirill Kallinikov
    Obus autopropulsado 2S7M Malka (foto de arquivo)

    O canhão é capaz de disparar projéteis de fragmentação altamente explosivos, bem como munições ativas de propulsão por foguetes. A principal vantagem deste armamento é a sua capacidade de disparar munições antibunker, químicas e até mesmo nucleares.

    Mais:

    Rússia publica VÍDEO de um dos canhões mais poderosos do mundo em ação
    Rússia moderniza canhão que pode disparar munição nuclear
    Rússia está modernizando canhão do tanque T-14 Armata
    Tags:
    armas russas, antiartilharia, modernização, canhão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar