09:37 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7366
    Nos siga no

    A administração Trump tem feito um grande esforço para dissuadir os países de comprarem equipamentos militares russos, entretanto, tal pode ser "uma espada de dois gumes".

    Isso porque essas medidas podem afastar os clientes dos EUA, fazendo com que procurem os fabricantes de armas russos, chineses ou europeus, segundo o analista militar Omar Lamrani.

    Em um artigo publicado pela Stratfor, Lamrani afirma que as tentativas de utilizar sanções para aumentar as exportações de equipamentos militares dos EUA fazem parte de uma "abordagem de soma-zero" contra as potências rivais, além de ser de uma abordagem militar complexa e centrada na política externa dos EUA, que contribuiu para o aumento das vendas de armas.

    Caminhão com partes do sistema de defesa antiaéreo russo S-400, em aeroporto próximo à Ancara (foto de arquivo)
    © AP Photo / Ministério da Defesa da Turquia
    Caminhão com partes do sistema de defesa antiaéreo russo S-400, em aeroporto próximo à Ancara (foto de arquivo)

    Contudo, a Rússia, sendo o segundo maior exportador de armas do mundo, segue realizando seus acordos multimilionários, tanto com adversários dos EUA, quanto com nações neutras e até com aliados norte-americanos, como a Turquia.

    "Apesar de os EUA não terem desenvolvido a lei CAATSA com o objetivo expresso de promover os equipamentos norte-americanos em detrimentos dos russos, ela surgiu como um instrumento-chave para a administração Trump", afirmou o analista.

    A Lei de Combate aos Adversários da América por meio de Sanções, CAATSA, foi assinada em 2017 e aplicada em setembro de 2018 contra a China, quando Pequim decidiu obter os sistemas russos S-400, além de ser utilizada contra a Índia, Indonésia, Egito e Turquia.

    Caça F-35B (foto de arquivo)
    © AP Photo / Petros Karadjias
    Caça F-35B (foto de arquivo)

    Na última semana, os norte-americanos concordaram em sancionar a Turquia pelo acordo de bilhões de dólares envolvendo a compra dos S-400 da Rússia, além de já terem expulsado os turcos do programa F-35 dos EUA.

    "Embora a adoção da abordagem de soma-zero possa ajudar os EUA a impedir que outros países comprem os equipamentos russos, isso também pode vir a ter um efeito ao contrário e fazer com que esses países caiam nos braços de Moscou", concluiu o analista.

    Mais:

    Boeing teria recusado oferta de US$ 85 bilhões do Pentágono
    China: declarações do Pentágono provam que EUA desenvolveram mísseis antes de sair do INF
    Pentágono testa pela 1ª vez míssil balístico antes proibido pelo Tratado INF (VÍDEO)
    Tags:
    sanções, concorrência, potência militar, equipamentos militares, Defesa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar