16:22 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    240
    Nos siga no

    Militares dos EUA cogitam evitar voos em baixa altitude de bombardeiros B-1 para evitar maior desgaste da aeronave.

    A medida faz parte de uma série de planos que estão sendo analisados por comandantes americanos para estender o uso da frota de B-1 até 2036.

    Segundo o portal americano Military.com, caso a mudança no modo de voo seja aplicada, a aeronave teria um dos propósitos de sua criação evitado.

    Projetado para voar em alta velocidade a baixa altitude, o bombardeiro nuclear B-1 foi criado para lançar ataques nucleares contra a União Soviética nos anos da Guerra Fria.

    Tal modo de voo teria como objetivo evitar a detecção por parte de radares inimigos. No entanto, ao evitar voos a baixa altitude durante treinamentos, o B-1 seria forçado a voar em grandes altitudes.

    "Estamos trabalhando estreitamente com as tripulações, equipes de manutenção, engenheiros da indústria e comandantes para identificar e determinar se mudanças, e quais, podem ser feitas, ao passo que balanceamos a necessidade operacional de hoje com a longevidade da estrutura do B-1 para o futuro", declarou o porta-voz do Comando de Ataque Global da Força Aérea dos EUA (AFGSC, sigla em inglês), tenente-coronel David Fraggard.

    Desgaste da aeronave

    De acordo com a mídia, testes de desgaste de aeronaves teriam provado que voos em baixa altitude provocam maior desgaste na estrutura do avião.

    No entanto, a mudança de altitude de voo em bombardeiros seria uma prática comum.

    Reforçando a ideia, Alan Williams, ex-piloto de bombardeiros B-52 dos EUA, comentou as complicações em voos de baixa altitude.

    "Baixa altitude é pesado em um avião. Existem muitas forças – atmosfera, turbulência, todas estas coisas", recordou Williams.

    Armamento mais pesado

    Também mudanças no compartimento de bombas do B-1 são consideradas pelos militares americanos.

    "Estamos discutindo agora sobre como pegar o compartimento de bombas [e] colocar quatro, talvez oito, armas hipersônicas de grande porte", declarou o general Tim Ray, comandante do AFGSC, durante a Conferência Espaço Aéreo e Cyber anual da Associação da Força Aérea.

    Mais:

    Orçamento de defesa dos EUA para 2020 proíbe entrega de aviões F-35 para Turquia
    Caças-bombardeiros Su-34 e Su-24MR treinam voos de combate aéreo na Rússia (VÍDEO)
    Primeiro bombardeiro modernizado russo Tu-160M entra em fase de testes
    Tags:
    longevidade, EUA, voo, Força Aérea dos EUA, bombardeiro nuclear, B-1
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar